22.4 C
Jacobina do Piauí
28 de fevereiro de 2024
Cidades em Foco
EsportesGeral

São Paulo bate San Lorenzo aos 44 e sai do sufoco na Libertadores

Michel Bastos tentou dois cabeceios, um no primeiro minuto de jogo e um aos 44 minutos do segundo tempo, para tirar o São Paulo do sufoco na Copa Libertadores. Depois de acertar uma das traves direitas do Morumbi na investida inicial do jogo desta quarta-feira contra o San Lorenzo, o meia balançou a rede no fim e assegurou a vitória por 1 a 0, no primeiro dos dois confrontos diretos com a equipe argentina.

Se a igualdade poderia complicar, o triunfo isola o time de Muricy Ramalho na segunda posição do grupo 2, agora com seis pontos, três abaixo do Corinthians e três acima do rival desta quarta-feira, o qual o São Paulo voltará a enfrentar em 1º de abril, em Buenos Aires. Depois da partida com mando argentino, ambos ainda terão pela frente Danubio e Corinthians.

 

Seis dias depois da fatídica partida de quinta-feira contra o São Bento – quando o Morumbi registrou o menor público desde 2009 e houve protestos até irônicos durante todo o segundo tempo -, desta vez o ambiente no estádio foi bem diferente. Tanto na arquibancada, com apoio irrestrito também de torcedores uniformizados (vide os gritos para todos os titulares, de Rogério Ceni a Luis Fabiano), quanto dentro de campo, com muita intensidade por parte dos jogadores desde o apito inicial.

 

Logo no primeiro minuto, após tabelar com Luis Fabiano na meia direita, Alexandre Pato cruzou para a área e viu Michel Bastos cabecear a bola na trave direita. O lance incendiou a arquibancada, mas também determinou a substituição de Pato pouco depois. O atacante sofreu entorse no tornozelo ao fazer o cruzamento e aguentou mais pouco tempo no gramado – que teria um buraco na ponta direita – antes de dar lugar a Ricky Centurión.

 

Antes disso, o São Paulo continuou a demonstrar espírito aguerrido, especialmente com Michel Bastos, que vibrou em direção à torcida a cada carrinho na lateral. Furar a marcação argentina, porém, estava difícil. Luis Fabiano e Ganso toparam com os zagueiros adversários dentro da área e reclamaram timidamente de pênalti inexistente. O capitão Rogério Ceni, até então distante do árbitro Wilmar Roldán, só precisou trabalhar aos 14 minutos, quando Kalinski arriscou arremate da meia direita e forçou o goleiro são-paulino a pular no canto.

 

Foi três minutos mais tarde que Pato admitiu ao técnico Muricy Ramalho não ter mais condições de seguir em campo. A essa altura, a intensidade do São Paulo já havia caído consideravelmente, apesar da maior posse de bola no campo ofensivo. Aos 25 minutos, Caruzzo usou a cabeça para meter uma bola à direita da meta de Rogério Ceni. Assim, com eventuais subidas ao ataque e muitos escanteios – além de alguma catimba –, o San Lorenzo conseguiu suportar a pressão inicial e esfriar o jogo.

 

 

Aos 40 minutos, a equipe de Buenos Aires por pouco não abriu o placar. Após cruzamento de Buffarini pelo lado direito, Blanco invadiu a área em velocidade, ganhou de Bruno pelo alto e cabeceou no travessão.

 

Ovacionado ao entrar no lugar de Pato ainda na primeira metade do primeiro tempo, Centurión foi o principal escape do São Paulo e também o maior responsável pelos protestos da torcida contra a arbitragem no intervalo. O argentino sofreu pelo menos duas faltas não marcadas depois de driblar a defesa adversária. Pouco antes do final do tempo regulamentar, Wilmar Roldán finalmente sacou o cartão amarelo do bolso e o mostrou a Buffarini após parar o meia-atacante são-paulino com um empurrão.

 

 

A única substituição entre as duas etapas partiu de Edgardo Bauza, treinador do San Lorenzo, que tirou Ortigoza para colocar Mercier. O São Paulo não mudou. Como no começo da partida, logo assustou o goleiro Torrico, em forte chute de Carlinhos. Porém, diferentemente da primeira metade, finalizou mais. Em resposta a um fraco arremate de Mussis para fora, a equipe mandante acertou a trave novamente em cabeceio de Luis Fabiano, aos 15 minutos, após escanteio cobrado por Centurión pelo lado direito.

 

 

A dupla de atacantes voltou a funcionar no minuto seguinte. Acionado pelo lado direito da área, Luis Fabiano bateu cruzado, e Centurión, dentro da pequena área e de frente para o gol vazio, completou a bola para a rede. O argentino chegou a saltar a placa de publicidade e começar uma dança diante dos torcedores antes de perceber que o árbitro assistente tinha apontado impedimento no mínimo questionável.

 

 

Pressionado pela torcida para atacar, o São Paulo continuou buscando gol até o final. A posse de bola no campo ofensivo inicialmente resultou em um grande susto, quando Rogério Ceni fez defesa em arremate de dentro da área, aos 35 minutos. A torcida já chiava, principalmente com Ganso, substituído por Boschilia, mas deixou qualquer vaia de lado no momento em que Michel Bastos recebeu cruzamento e cabeceou para a rede, a um minuto dos acréscimos.

 

 

 

 
Fonte: Gazeta

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais