31.6 C
Jacobina do Piauí
15 de abril de 2024
Cidades em Foco
DestaqueGeralMunicípiosPolítica

Eleição da mesa diretora da Câmara Municipal de Geminiano vira caso de policia

A sessão da Câmara Municipal de Geminiano desta quarta feira (03) foi marcada por tumulto  e acusações. A reunião que estava marcada paras se iniciar às 9h teve um atraso de duas horas, o motivo da confusão foi a eleição da mesa diretora para o biênio 2015-2017, que ocorreria logo após a votação da Lei Orçamentária.

 

Duas chapas estavam registradas: a primeira denominada “Chapa 1” e encabeçada  pela vereadora Maria das Graças (PMDB); e a segunda denominada “Chapa 2”, tendo como candidato a presidente o vereador Nicolau de Moura Neto (DEM).

 

A previsão era que a “Chapa 1”, que é apoiada pelo prefeito Jader Borges (PSD), fosse a vencedora, já que detinha os cinco votos dos vereadores da situação. Mas para a surpresa de todos os presentes, a vereadora Mazé Campos (PSD), alegando desprestigio por parte da atual administração, declarou o seu voto no candidato da chapa oposicionista.

Com isso, os vereadores Joaquim de Moura Gonçalves (PMDB), Erismar Feitosa Gonçalves (PSD), e a candidata Maria das Graças abandonaram a plenário antes do inicio da abertura dos trabalhos. Diante disso a presidente da casa, Maria Vanusa de Moura, decidiu pelo cancelamento da sessão alegando falta de quórum. A justificativa da presidente foi a suposta orientação dada pela assessoria jurídica da casa de que o tipo de matéria a ser votada requer o mínimo  necessário de dois terços dos parlamentares.

 

Alegando que o cancelamento da eleição é uma manobra política da situação para tentar reverter o quadro, o vereador Nicolau, que até então era o vice-presidente do parlamento, assumiu a presidência da mesa e conduziu os trabalhos. Ele pôs em votação as matérias da ordem do dia e em seguida realizou a eleição. Com os votos dos cincos parlamentares presentes, a “Chapa 2” foi declarada vencedora.

 

Um fato bizarro acorreu durante a apuração dos votos. Em um momento de discussão dos membros da mesa, o ex-secretário da casa Carlos Antonio, o Irmão Carlinhos, pegou o livro ata e fugiu, impossibilitando assim o registro dos trabalhos.

Após o episódio, uma comissão composta por dois vereadores e três cidadãos que estavam presentes durante o ato se dirigiram até o Ministério Público, onde foram orientados que fosse feito um boletim de ocorrência. Após isso, o delgado Gilberto Franklin abriu um inquérito policial por supressão de documento publico.

 

Foram denunciados pelo sumiço do documento o ex-secretário Carlos Antônio, a vereadora Vanusa e um policial que não teve o nome revelado. Apesar da ata da sessão ter sido transcrita em outro livro e registrada em cartório, espera-se um batalhão judicial para resolver o impasse referente à eleição.

 

 

 

Fonte: GrandePicos

Fotos: Assis Santos

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais