20 de abril de 2024
Cidades em Foco
BaúGeral

Um filme que só mulher entende

Direção: Clint Eastwood

Resenha

O filme As pontes de Madison retrata de forma anacrônica a história de amor entre uma dona de casa, casada, mãe de dois filhos, e o fotógrafo de uma revista científica. O romance aconteceu durante quatro dias, enquanto o marido e os filhos estavam fora, mas com uma intensidade que permaneceu por três décadas, até a morte dos dois.
Francesca é uma italiana que vive, em uma fazenda em Iowa, com o marido e os filhos. Uma dona de casa que divide seu tempo entre os afazeres domésticos e os labores da fazenda. Sua família viaja para participar de uma feira de animais e, nestes dias surge o desconhecido Robert, que vem quebrar a rotina do ambiente rural em que Francesca vive mergulhada.
O repórter chega à fazenda para pedir informação sobre a localização das pontes, onde ele ia captar as imagens. Francesca o acompanha para mostrar o local e a partir deste encontro vai se costurando uma amizade com toques sutis de sedução e erotismo. Robert é um homem aventureiro que não possui família nem laços que o prenda. Leva uma vida nômade, vai aonde a câmera o leva.
Os dois personagens se sentem atraídos e o romance se concretiza. Entretanto a vida segue seu curso, pois Francesca não tem coragem de deixar a casa, o marido e os filhos para acompanhar o seu amor. Trinta anos depois ela morre e deixa um diário em três volumes, onde narra a história de amor para seus filhos. Os dois ficam surpresos com a confissão da mãe.
As pontes de Madison, não é apenas uma história de amor hollywoodiana carregada no açúcar. O diretor Clint Eastwood soube traduzir com excelência, através da narrativa visual, os sentimentos de uma mulher. Além da direção, ele protagonizou o filme. E, para quem estava acostumado a vê-lo na pele de durões empunhando uma arma, foi surpreendido com a sensibilidade de um fotógrafo de borboletas e um amante apaixonado que o ator desempenhou.
Francesca, interpretada brilhantemente por Meryl Streep, vivia só para a família, até mesmo o trabalho de professora foi levada a deixar, porque o marido não gostava. Os filhos mal se importavam com ela. A mulher tinha se transformado apenas numa utilidade doméstica sem vida própria. Isto fica bem claro numa cena em que ela se esmera preparando o jantar e a família apenas se senta à mesa e comem.
Outra situação que merece ser ressaltada na cena do jantar, é que Francesca está na cozinha ouvindo uma música no rádio e, quando a filha entra, muda de estação como se a mãe nem existisse. Os filhos e o marido se sentam à mesa, comem de maneira automática e nenhum deles se dirige à mulher. Ela os observa como se esperasse algum esboço de agradecimento.
Esta película é o retrato de muitas mulheres “comuns” que vivem imersas na rotina familiar sem tempo para se perceber e ser. Quando Robert aparece naquele lugar “no meio do nada” e a enxerga, dá a atenção, da qual ela carecia, é como se ela se olhasse no espelho e entendesse que ainda era uma mulher viva e com desejos. Ele a ajuda com o jantar, se oferece para lavar a louça e, acima de tudo, a escuta. Quer saber de sua vida e se importa com ela.
O que despertou em Francesca o sentimento por Robert não foi apenas a carência, mas todo este clima novo que ele trouxe para seu ambiente monótono. Ele não precisou tirá-la de dentro de seu casulo, ela se percebeu borboleta no seu espaço, onde era somente mãe e dona de casa. O fotógrafo trouxe um flash e, Francesca se descobre mulher ainda. Vemos isto na cena em que ele está se asseando, ela o observa e, se recrimina.
Outra temática que é apontada na narrativa é a questão dos filhos não compreenderem que mãe também é mulher. E o filho fica indignado com a possiblidade de a mãe ter feito sexo com o Robert, afinal com o pai não seria sexo, seria obrigação de dona de casa? Ele acredita que o amante era um sedutor de mulheres indefesas e que a desvirtuou. Principalmente quando recebe o pedido da mãe para ser cremada e as cinzas espalhadas sobre a ponte.
A história é tão interessante que até os filhos, que ao início estavam decepcionados com infidelidade da mãe, principalmente o filho homem que se sentia traído, por fim acabam compreendendo a história e a posição dela o que, os ajudam nas tomadas de decisões. Eles decidem sair da rotina, da vida mecânica e valorizar mais os sentimentos.
O diretor conta a história, sob o ponto de vista da mulher, de maneira sutil e delicada. Ele também conduziu com maestria as cenas mostrando suavemente o clima de romance e erotismo entre os protagonistas. Os atores coroaram com uma belíssima interpretação, a cena de amor na casa de Francesca. Os olhares, a respiração, gestos e palavras, tudo coreografado sensualmente retratando o desejo e a paixão do casal.
Um filme que traduz a alma feminina, a mulher, que não é nada comum, como disse Robert a Francesca, vai entender mais que qualquer outro expectador. As pontes. Estas simples estruturas de madeira se tornaram símbolo daquele amor indestrutível e os dois deixam o pedido para que suas cinzas sejam espalhadas sobre o local representando uma forma de libertação e eternização de seu Amor.

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais