27.9 C
Jacobina do Piauí
12 de junho de 2024
Cidades em Foco
GeralPolícia

Polícia prende grupo suspeito de fraudar concursos públicos; Veja!

A Polícia Civil prendeu ontem (16), de forma preventiva, 16 pessoas suspeitas de fraudar mais de 30 licitações e cinco concursos públicos de prefeituras e Câmaras Municipais nas regiões de Ribeirão Preto e São José do Rio Preto, no interior de São Paulo. Entre os presos estão secretários municipais e vereadores, e há ainda quatro pessoas sendo procuradas.

O grupo destinava vagas a pessoas que mantinham relações com políticos, segundo o Ministério Público. No total, o esquema de corrupção é suspeito de pagar pelo menos R$ 2 milhões em propina para autoridades somente em 2014 e 2015.

“Foram presos sete empresários, que representavam empresas que realizavam as provas, além de três vereadores, três secretários municipais e sete servidores públicos”, disse o diretor do Deinter (Departamento de Polícia Judiciária) de Ribeirão Preto, João Osinski Junior. Foram quatro meses de investigação.

Os investigados tiveram os bens bloqueados e as denúncias contra os suspeitos devem ser apresentadas à Justiça em dez dias.

Eles poderão responder pelos crimes de organização criminosa, fraudes em licitações, fraudes em certames públicos, falsificação de documentos, falsidade ideológica, corrupção ativa e passiva. As penas podem alcançar de 10 a 36 anos de prisão.

De acordo com o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), braço do Ministério Público responsável pela operação QI (de “quem indica”, referência a vagas públicas preenchidas por indicação), foram executados 55 mandados de busca e apreensão em 20 cidades da região de Ribeirão Preto e em 11 cidades da região de São José do Rio Preto.

Empresas teriam recebido mais de R$ 2 milhões em dois anos

O grupo criminoso era liderado por Marlene Galiaso (PV), empresária e vereadora de Pradópolis (SP), de acordo com o Gaeco. Ela teria usado a empresa Gerencial Assessoria, sediada em Ribeirão Preto, para participar de licitações fraudulentas para a realização de concursos públicos ou prestar serviços de assessoria a prefeituras e Câmaras.

1000

Segundo o Gaeco, um grupo de empresas indicadas por Marlene participava da licitação, mas elas já tinham combinado entre si quem iria ganhar –havia uma espécie de “rodízio”, para evitar suspeitas. A ganhadora repassava até um terço do dinheiro recebido para os agentes públicos e, quando havia concursos, aprovava pessoas previamente indicadas.

O UOL tentou entrar em contato com o advogado de Marlene, mas não conseguiu falar com o profissional até a publicação desta reportagem.

Fraudes teriam atingido dezenas de cidadas

Foram identificadas fraudes nos concursos feitos pela Câmara de Mineiros do Tietê e de Santa Ernestina, e das prefeituras de Jaboticabal e Ipuã, segundo o promotor do Gaeco, Marcel Bombardi.

As empresas também foram contratadas de forma fraudulenta por outras 15 cidades. A operação investiga, ainda, seleções em outros dez municípios.

As Câmaras de Mineiros do Tietê e Santa Ernestina, bem como as prefeituras de Jaboticabal e Ipuã informaram que devem cancelar os concursos se a fraude for confirmada.

 

Fonte: Uol

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais