30 C
Jacobina do Piauí
13 de junho de 2024
Cidades em Foco
GeralPolícia

Pedofilia no interior do PI: uma igreja abalada e que perdoa acusado de estuprar crianças

Quem poderia imaginar que um dos lugares mais seguros e tidos como mais “santos” na pequena e pobre Lagoa de São Francisco (no Norte piauiense, a 195 quilômetros de Teresina) poderia ser o centro das atenções de um dos casos mais polêmicos envolvendo acusações de pedofilia na história do estado?

Esse lugar é a igreja evangélica Assembleia de Deus (maior da cidade), localizada na rua Manoel Nogueira Lima, bairro Caixa D´Água, vizinha ao Centro.

Segundo investigações da Polícia Civil do Piauí era lá que o músico gospel e locutor de rádio Wellington Rodrigues dos Santos, 46 anos, mais conhecido por W.S. (já preso), frequentava e ganhava amizade e confiança de pais e de crianças supostamente vítimas de um esquema de pedofilia.

O escândalo que tanto entristeceu a comunidade da Assembleia de Deus, de mais de 200 membros, além de praticamente toda a cidade e o restante do Piauí, traz um misto de vergonha, tristeza e perdão, principalmente aos que fazem parte da igreja, uma das mais tradicionais de Lagoa de São Francisco.

Wellington dos Santos: centro das polêmicas envolvendo pedofilia vitimizando meninas da Assembleia de Deus

A reportagem de O Olho foi recebida pelo líder dos assembleianos na região, o pastor Erivaldo Bezerra de Carvalho, 54 anos, sendo 13 de liderança evangélica. Ele, que está em sua segunda passagem pela cidade, vive ao lado do templo com a esposa, a missionária e professora Ana Maria de Moura Carvalho, 39 anos, e dois filhos menores de idade.

Pastor Erivaldo Carvalho

A Assembleia de Deus de Lagoa de São Francisco fica localizada a menos de cem metros da única instituição policial da cidade: o GPM – Grupamento Policial Militar, que tem duas viaturas (uma praticamente não anda) e, no máximo, três policiais de serviço diariamente.

Fica em uma rua movimentada. Meninas e meninos de pouca idade são vistos transitando tranquilamente quase todas as horas do dia. É uma das edificações que dá ares de cidade pequena à região, só quebrados nos últimos dias com as denúncias do maior esquema de pedofilia já descoberto naquela parte do Piauí. O autor de tudo isso, segundo a polícia, seria W.S., membro da igreja há pouco mais de dois anos.

Envergonhado com o ocorrido, o pastor Erivaldo Carvalho aceitou responder as perguntas e comentar sobre o segundo escândalo de pedofilia ligando membros da igreja nos últimos anos. O primeiro envolveu o também membro e locutor de rádio conhecido por Edirceu (atualmente cumprindo pena na Colônia Agrícola Major César Oliveira por estupro) que também era membro da igreja.

O pastor Erivaldo destacou que a Assembleia é acostumada a receber pessoas com vícios, dependências e que a instituição religiosa pode dar novos rumos aos errados que a procura. É uma forma, seguindo a Bíblia e os preceitos católicos, de ajudar a quem precisa.

Perguntado sobre o que acha de que um homem acusado de pedofilia, inclusive contra próprias meninas da igreja, frequentar livremente cultos e nunca ter sido descoberto, o pastor enfatizou que é um caso terrível. Destaca que W.S. tinha um comportamento diferente e que desde a denúncia do primeiro caso de violência sexual contra meninas da cidade – que era cantora do grupo da própria igreja – a Assembleia de Deus de Lagoa de São Francisco deu todo o apoio às vítimas.

Pastor e missionária contam como a igreja está tentando superar escândalo de pedofilia

“Ele (W.S.) frequentava a igreja duas vezes por semana (nos cultos públicos e quartas e domingos à noite), tocava, mas não era muito de orar. Sequer contribuía com dízimo”, diz o pastor.

Segundo o delegado Genival Vilela, responsável pela chefia das investigações dos casos de pedofilia na cidade, dos cinco crimes de abuso sexual já imputados a W.S. (quatro com inquéritos concluídos e um em apuração) somente um não envolvia meninas ligadas à Assembleia de Deus.

PASTOR NEGA QUE ABUSOS SEXUAIS ACONTECIAM DENTRO DA IGREJA

O pastor Erivaldo nega que algum dos abusos sexuais imputados a W.S. contra meninas membros da igreja tenham ocorrido dentro da instituição religiosa. Ele confirma que algumas vezes o acusado chegou a ensaiar com membros da banda, mas que a maioria dos ensaios ocorria na residência de W.S. ou na residência das vítimas.

A polícia está investigando se ocorreram abusos na igreja. Só confirma que abusos teriam ocorrido na rádio comunitária da cidade.

“Hoje a igreja faz um clamor público para esse caso ser resolvido. Estamos orando muito”, destacou o pastor, complementando que após esse escândalo os membros terão ainda mais observância dos atos e atitudes, principalmente dos membros mais novos.

Perguntado qual a lição tira disso tudo o pastor Erivaldo remete à Bíblia lembrando que até Jesus Cristo foi traído (por Judas). “Os casos de traição se repetem”, lamentou.

ACUSADO DE PEDOFILIA FOI EXCLUÍDO DA IGREJA, MAS PODE VOLTAR A FREQUENTAR DEPOIS

As opiniões mais contundentes vêm da missionária Ana Maria de Moura Carvalho, esposa do pastor Erivaldo. Ela destaca sobre o comportamento do acusado e também traz contundente depoimento sobre o que teria ocorrido.

pastor e a missionária estão de mudança da cidade – morarão em Cristino Castro, Sul do Piauí. A transferência dele já era certa mesmo antes do acontecimento das denúncias dos estupros, envolvendo membro como acusado e fiéis, como vítimas. A missionária destaca que um dos últimos atos do casal é deixar a igreja de volta à paz.

Oficialmente o acusado de pedofilia contra crianças membros e não membros da Assembleia de Deus de Lagoa de São Francisco, Wellington dos Santos, não faz mais parte da igreja. Após sua prisão o conselho da instituição religiosa, formado por homens de mais idade e com mais tempo de igreja se reuniu e colocou em ata a exclusão de W.S. Na Assembleia de Deus o procedimento é chamado de “disciplina”.

O pastor Erivaldo destaca que, nos trâmites da igreja, Wellington dos Santos, se um dia quiser e mostrar arrependimento, pode voltar a frequentar a igreja.

Missionária fala sobre o perdão

A missionária Ana Maria Carvalho, assim como o pastor, perdoa o acusado, mas diz que talvez toda a igreja não o perdoará. “Dificilmente ele voltará. Perdoar é uma coisa, conviver é outra completamente diferente. Temos de perdoar, pois não somos dignos de ir contra a palavra de Deus que prega o perdão”, justificou utilizando a Bíblia.

A esposa e a filha de Wellington dos Santos, de 11 anos, continuam frequentando a Assembleia de Deus. Na segunda ida da reportagem à igreja (foi antes de um culto) tudo parecia normalizado, inclusive a igreja sendo frequentada por várias crianças.

A igreja e Lagoa de São Francisco, apesar do surgimento de novos casos de pedofilia começando a ser denunciados e envolvendo outras pessoas da cidade ganharem as conversas públicas e começarem a chamar a atenção da polícia, tenta voltar a ser uma cidade normal, talvez a única diferença de antes é que seja longe da pedofilia.

 

 

Fonte: O Olho

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais