25 C
Jacobina do Piauí
21 de maio de 2024
Cidades em Foco
DestaqueGeralPiauí

Famílias começam a racionar água e poços viram disputas entre povoados no semiárido do Piauí

Seca no Piauí - Foto: Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Várzea Branca

A escassez de água potável para consumo humano se agravou nos últimos dois meses e famílias no Piauí já racionam água, devido os níveis dos reservatórios caírem drasticamente com a onda de calor. Segundo os agricultores já começa a faltar alimentos para os animais e que poços tubulares estão virando disputas entre povoados no semiárido.

No Piauí, 95 municípios decretaram situação de emergência, devido a seca. Todos já foram reconhecidos pelo governo federal.

Cidadeverde.com conversou com famílias nos municípios de Dom Inocêncio e Várzea Branca e os relatos são um pedido de socorro para mais carros-pipas e ajuda para alimentar o rebanho. E entrou em contato também com a Defesa Civil do Estado (veja no final da reportagem).

O trabalhador rural Adailton Lopes dos Reis, 48 anos, do município de Várzea Branca (a 570 km ao Sul de Teresina) confirmou que famílias estão tendo que limitar o uso de água, devido os poços e reservatórios estarem secando.

“A dificuldade de achar água está cada dia pior e poços que foram construídos para toda a comunidade servem apenas para algumas famílias já que vamos encher nossos botijões de água e as mangueiras do poço estão amarradas. O poço é para todo mundo”, reclama o trabalhador rural que mora no povoado Sítio da Aldeia, que fica a 30km de Várzea Branca.

Ele ressaltou que o preço da água está absurda e chega a R$ 600 para um carro-pipa.

Teresinha Paz de Macedo, presidente do Sindicato dos Trabalhadores de Várzea Branca, disse que a disputa entre famílias pode estar acontecendo devido ao medo de acabar a água. Ela citou o reservatório de Umbuzeiro onde os carros-pipas estão abastecendo e os moradores da região pedem para não pegar mais água lá, pois vai faltar para consumo dos animais.

Foto: Ascom/Defesa Civil 

População compra água de R$ 40 a R$ 300

Em Várzea Branca, o preço da água varia de R$ 40 a R$ 50 (uma caixa com mil litros) e R$ 300 uma pipa com cerca de 8 mil litros.

“A falta de água está horrível, a água está acabando, uma crise forte, precisamos de água até para os animais. Uma seca que nunca vi, só resta pedi a Deus, mas estamos cobrando das autoridades”, disse Teresinha, que informou que o Sindicato tem uma cisterna que está fornecendo água para famílias.

Dom Inocêncio

O vereador e presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Dom Inocêncio (a 595 km de Teresina), Clodoaldo Dias Pereira, informou que as famílias já começam a racionar água e que a zona rural da cidade precisa de reforço de carro-pipa.

“As pequenas barragens já começam a secar e o custo da pipa de água chega a R$ 250 e a caixa com mil litros é R$ 30. Desde julho estamos em situação critica e precisando de mais carros-pipas e equipar os poços tubulares”, disse Clodoaldo Pereira.

Hoje, a coordenação do Polo Sindical da Fetag em São Raimundo Nonato informou que foi criado uma comissão para ajudar os agricultores para buscar alimentos aos animais.

A Secretaria de Defesa Civil informou que já está atuando nas duas cidades – Dom Inocêncio e Várzea Branca – através de caminhões-pipa.

“Sobre os poços tem que verificar qual órgão do estado que é o responsável pela perfuração e aquisições de equipamentos. Até o momento não chegou nada oficial a secretária”, informou a Defesa Civil.  

Por Yala Sena / CidadeVerde

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais