30.1 C
Jacobina do Piauí
20 de abril de 2024
Cidades em Foco
GeralInternacional

STF derruba lei do Piauí que prorrogou concessões do transporte intermunicipal

Transporte alternativo intermunicipal - Foto: Divulgação / Coomitapi

A lei do Estado do Piauí que prorrogou por 10 anos as permissões para empresas operarem o serviço de transporte alternativo intermunicipal de passageiros foi considerada inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Em sessão virtual, os ministros decidiram por unanimidade julgar procedente a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 724.

A ação formulada pela Associação Brasileira das Empresa de Transporte Terrestre Coletivo de Passageiros (Abrati) questionou Lei estadual 7.844/2022 que prorrogou por mais 10 anos um processo licitatório realizado em 1999 e que possuía validade de apenas 5 anos. O transporte alternativo intermunicipal que atinge 3 mil passageiros diariamente chegou a ser suspenso durante o impasse.

O relator, ministro Dias Toffoli, analisou que nas modalidades de contratação por concessão ou permissão a delegação de serviço público deve ser obrigatoriamente precedida de procedimento licitatório, nos termos do artigo 175 da Constituição Federal, inclusive no serviço de transporte coletivo intermunicipal.

“Findo o período no qual o permissionário pôde explorar o serviço, inviável sua renovação automática, por lei, sem a prévia licitação”, disse o ministro ao apontar que o fato de a administração pública ter escolhido anteriormente esses permissionários mediante licitação não lhe autoriza a realizar as renovações, sem a realização de novo procedimento licitatório.

Entenda o caso

O Piauí realizou, em 1999, procedimento licitatório para o transporte alternativo, com validade de cinco anos. Terminado esse período, por meio da Lei estadual 5.860/2009, regulamentou o sistema de transporte intermunicipal de passageiros nessa modalidade e prorrogou os contratos apenas até a homologação da nova licitação, que ocorreu em 2014. Contudo, a Lei estadual 7.844/2022 alterou a norma anterior para estender a validade das permissões decorrentes da concorrência pública anterior por mais 10 anos.

A entidade alega que uma decisão judicial transitada em julgada no ano de 2018 garantiu que o governo do Estado detém a prerrogativa de manter e permitir as linhas. Contudo, uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) questionou a ausência de licitação para esse tipo de transporte e proibiu sua circulação.

O Governo do Estado publicou um decreto autorizando o retorno do itinerário de quem participou da concorrência pública realizada em 1999, pelo Departamento de Estradas de Rodagem (DER) e que permaneceram em operação na data da publicação do Decreto nº 18.148, de 8 de março de 2019. Porém, em seguida, uma liminar do desembargador José James Gomes Pereira, do Tribunal de Justiça do Piauí, suspendeu mais uma vez o transporte alternativo sob a justificativa de que seria necessário a realização da licitação.

Fonte: O Dia

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais