30.1 C
Jacobina do Piauí
20 de abril de 2024
Cidades em Foco
GeralInternacional

Criminosos se passavam pelo senador Marcelo Castro para aplicar golpes; entenda

Marcelo Castro - Foto: Pedro França/Agência Senado

Polícia Civil do Distrito Federal, com apoio das Polícias Civis do Piauí e Maranhão, está cumprindo uma série de mandados judiciais nesta manhã (27) no âmbito da Operação Alto Escalão II para desarticular um grupo criminoso que clonava perfis de senadores e deputados federais para aplicar golpes via Whatsapp. Um dos perfis clonados pelos criminosos foi o do senador piauiense Marcelo Castro (MDB).

Ao todo, estão sendo cumpridas oito ordens judiciais nas cidades de Teresina e Timon. As informações foram confirmadas pela Polícia Civil do DF.

As investigações apontaram que o grupo criminoso se valeu dos nomes e imagens de 17 senadores e deputados federais para aplicar golpes pelas redes sociais, clonando os perfis de Whatsapp dos parlamentares. Os mandados que estão sendo cumpridos hoje buscam identificas todos os integrantes do grupo e coletar provas. De antemão, a Polícia Civil do Distrito Federal identificou um homem de 26 anos e quatro mulheres como sendo membros do esquema.

Segundo a polícia, os criminosos usavam as imagens dos senadores e deputados no perfil do Whatsapp e entravam em contato com as vítimas informando sobre doações disponíveis. Os suspeitos pediam que as pessoas realizassem depósitos e transferências se passando pelos parlamentares.

A Operação Alto Escalão II é uma continuidade da ação Alto Escalão I, que foi deflagrada em novembro de 2023 na qual foram cumpridos oito mandados de busca e apreensão em desfavor de integrantes de uma associação criminosa especializada em crimes e fraudes eletrônicas. Na primeira fase da operação foram cumpridas ordens judiciais em Recife-PE e João Pessoa-PB para coletar provas.

A investigação que fomentou a Operação Alto Escalão I durou seis meses. Em nota, a Polícia Civil do Distrito Federal informou que os criminosos coletaram informações de gabinetes de alguns ministros que tiveram suas imagens e nomes utilizados indevidamente. Dez integrantes da quadrilha foram identificados, todos residentes em Pernambuco e na Paraíba.

Com funcionava a fraude

Segundo a Polícia do DF, a associação criminosa cooptava as vítimas se passando por autoridades do primeiro escalão do Poder Executivo e do Legislativo Federal, clonando perfis de aplicativos de mensagens, utilizando suas imagens, nomes e informações colhidas em fontes abertas.

Dessa forma, eles entravam em contato com diretores e presidentes de órgãos públicos e privados e solicitavam ajuda. Esse pedido geralmente vinha com o pretexto de ajudar terceiros. Os criminosos, usando as imagens dos parlamentares, contatavam as vítimas e lhes pediam que fizessem transferências via Pix para alguém necessitado.

Veja abaixo a lista de parlamentares que tiveram seus perfis clonados:

  • André Janones, Avante-MG
  • Rogério Corrêa, PT-MG
  • Natalia Bonavides, PT-RN
  • Diego Andrade, PSD-MG
  • Humberto Costa, PT-PE
  • Paulo Paim, PT-RS
  • Teresa Leitão, PT-PE
  • Ana Paula Lobato, PSB-MA
  • Carlos Viana, Podemos-MG
  • Soraya Thronicke União-MS
  • Marcio Bittar, União-AC
  • Esperidião Amin, PP-SC
  • Luis Carlos Heinze, PP-RS
  • Marcelo Castro, MDB-PI
  • Vanderlan Cardoso, PSD-GO

O que diz o senador Marcelo Castro

Em nota, o senador Marcelo Castro (MDB) se manifestou sobre a operação Alto Escalão II e o uso por parte de criminosos de sua imagem. O parlamentar afirmou que “as redes sociais não podem servir de palco para reiterados crimes e fraudes” e disse que a ação é de extrema importância”.

Marcelo Castro acrescentou que sempre busca alertar em suas redes sociais sobre qualquer pedido ilícito de informações e valores e pediu que todos os que praticam esta atividade ilegal sejam punidos no rigor da lei.

Veja a nota do senador na íntegra:

“As redes sociais não podem servir de palco para reiterados crimes e fraudes. Por isso, a operação “Alto Escalão 2”, da Polícia Civil do Distrito Federal, é de extrema importância. 

Foram diversas tentativas de golpe utilizando meu nome e minha imagem. Sempre busco alertar, nas minhas redes sociais e também para as possíveis vítimas, sobre qualquer pedido ilícito de informações e valores. 

Não apenas esta organização criminosa, mas todos que praticam esta atividade ilegal devem ser punidos no rigor da lei”.

Fonte: O Dia

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais