27.9 C
Jacobina do Piauí
12 de junho de 2024
Cidades em Foco
EsportesGeral

Valdivia supera Guerrero, Chile bate Peru e vai à final da Copa América

O Chile repetiu o que já havia feito até aqui. No ataque, mostrou qualidade, belas trocas de passe e gols. Na defesa, problemas pelo alto e certa fragilidade. Contra o bravo Peru de Paolo Guerrero, porém, funcionou, ainda que a arbitragem tenha dado uma força. Apesar da boa atuação do agora atacante flamenguista, o time da casa aproveitou a superioridade numérica desde os 20 minutos do primeiro tempo, venceu por 2 a 1 e está na final da Copa América.

Será a chance de um título inédito, que coroaria a geração de Vidal, Sánchez, Vargas, Aranguiz e Valdivia, de novo protagonista ao roubar de Guerrero a bola que originou o gol da vitória. Na decisão, marcada para o próximo sábado, o Chile enfrentará Argentina ou Paraguai, que disputam nesta terça a outra semifinal.

A esperada vaga coroa uma campanha elogiável, com gols e atuações convincentes dos comandados de Jorge Sampaoli, que já haviam se destacado na Copa do Mundo do ano passado. Neste contexto, a atuação do Peru só deixou a vaga ainda mais saborosa.

Apesar do erro no lance capital, Guerrero foi um dos destaques do jogo e manteve o Peru vivo até os minutos finais de um jogo aberto, interessante e emocionante. E tudo isso com dez em campo, já que Zambrano foi expulso muito cedo.

Fases do jogo:
O começo do jogo não mostrou a superioridade técnica que se poderia esperar dos donos da casa. Com um meio-campo compacto e Guerrero e Farfán inspirados, o Peru começou bem o confronto. Quem atrapalhou foi Zambrano, expulso aos 20 minutos de jogo.

O zagueiro começou o jogo se estranhando com Vidal, que chegou a levar a mão ao rosto do peruano. O árbitro deu bronca, mas não mostrou cartão a nenhum dos dois. Minutos depois, Zambrano voltou a se enroscar, desta vez com Sánchez. Pela repetição, levou o amarelo, que viraria vermelho logo depois em um lance imprudente. O zagueiro cortou um lançamento com um pé alto e acertou as costas de Aranguiz. A expulsão bagunçou o jogo do Peru.

Com mais espaço, o Chile criou à vontade. Valdivia levou perigo uma vez e Vargas perdeu outras duas chances até fazer aos 42 minutos do segundo tempo, quando Sánchez cruzou, Aranguiz fez o corta-luz e a bola bateu na trave. Na sobra, o ex-gremista aproveitou-se de uma posição irregular e marcou.

Em nenhum momento, porém, o Peru abdicou de atacar. Guerrero e Farfán, especialmente, lideravam as investidas de uma seleção perigosa, que empatou com um gol contra de Medel aos 15 minutos do segundo tempo.

Três minutos depois, porém, o jogo foi decidido. Depois de uma rebatida da defesa, Guerrero dominou mal e foi desarmado por Valdivia, que logo serviu Vargas. O atacante viu Gallese adiantado e acertou um lindo chute da intermediária, mandando no ângulo e garantindo o Chile na decisão.

Melhor: Vargas. Perdeu chances importantes no primeiro tempo, mas movimentou-se com qualidade e marcou os dois gols que levaram o Chile à decisão.

Pior: Zambrano. Por mais que se questione o árbitro, é impossível ignorar a imprudência do peruano, que se arriscou com um pé alto minutos depois de ter recebido cartão amarelo. A expulsão matou o esquema de jogo do Peru, que vinha surtindo efeito.

Toque dos técnicos: Ricardo Gareca sacou o veterano Pizarro para ter mais força no meio-campo. A superpopulação do setor dava setor até a expulsão de Zambrano, quando o Chile conseguiu fazer valer sua melhor técnica.

Chave do jogo: Além da expulsão, ditou o ritmo do jogo o ímpeto do Peru, que atacou mesmo com um a menos. A disposição ofensiva abriu espaços na defesa, é verdade, mas a qualidade de Guerrero e Farfán na frente deixaram o jogo aberto até os minutos finais.

Destaques:
Rivalidade:
Embora não sejam exatamente potências do futebol sul-americano, os dois países protagonizam uma das maiores rivalidades do continente. Vizinhos, Chile e Peru estiveram em guerra no século XIX, quando os chilenos anexaram parte do território rival. A história alimenta até hoje os confrontos entre as duas seleções.

Matadores em campo: Com os dois gols marcados, Eduardo Vargas chegou a quatro na Copa América e passou com o companheiro Arturo Vidal e o rival Paolo Guerrero, que até o começo da semifinal estavam na artilharia da competição com três bolas nas redes.

Apito: A polêmica arbitragem de Sandro Meira Ricci, somada à chave favorável ao Chile, levantaram suspeitas de favorecimento aos anfitriões da Copa América. A arbitragem do venezuelano José Argote não aliviou essa sensação, já que o apitador expulsou Zambrano aos 20 minutos e validou um gol irregular dos donos da casa.

 

Fonte: Uol

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais