23.1 C
Jacobina do Piauí
28 de fevereiro de 2024
Cidades em Foco
Baú

Terapias sertanejas

Produtos naturais foto: Bruna Ravena
Produtos naturais foto: Bruna Ravena

Basta dar uma meia volta pelo Mercado Municipal de Picos e arredores, para sentir de longe o cheiro de especiarias e ervas medicinais. Assim como os camelores tradicionais das calçadas picoenses, os farmacêuticos do sertão têm seus lugares cativos nas esquinas barulhentas.

De tudo tem na barraca do seu Ném, a cura através das plantas. Cascas de árvores, sementes e flores para os mais variados males que acometem o sertanejo. Variados também, e desconhecidos, porém de grande confiança da clientela, são os “princípios ativos” das mil e umas garrafadas.

Os fracos de medicamentos, e essências, cheios de pó e velhos quanto a dor do poeta português, estão exposto ao clima, nada europeu. Não se sabe se a temperatura estraga ou aperfeiçoa o medicamento. Ninguém sabe os segredos dos cientistas da calçada. Nem eles mesmos. Ciência, apenas ciência!

Ao aproximar-me da barraca, o vendedor percebe minha curiosidade. Atencioso começa a explicar-me de que se trata cada composto. “ mel de jataí, pra catarro mal curado”. “amexa com barbatimão pra inflamação do útero e ovário”  a lista é imensa. Tem até o famoso viagra natural: a tradicional catuaba.

Acredita-se que o valeguaribense  herdou, talvez inconscientemente os costumes dos croás e Jaicós, nossos primeiros habitantes. Outra possibilidade de justificativa para tanto “dotô” da natureza é que, antes, as possibilidades de encontrar um médico e uma farmácia pela região eram bem escassa.

Ali, na banca do curandeiro, também funciona um consultório de terapias alternativas. Troca de informações sobre receitas medicinais e até de novos males. O vendedor só não revela, se dentro dos potes e saquinhos de cascas moídas e processadas, tem mais, ou menos que o indicado no rótulo.

Tem de tudo, mata barata, mata rato e se alguém tiver em casa aquele menino lombrigueto, mata… Lombriga também. Casca de catingueira para congestão, bucha de polista para sinusite, casca de romã cura inflamações, óleo de rícino pra purgar o intestino e especiarias, cravo, canela, nanuscada anís e pixurís.

Herdei de minha mãe esta admiração e crença na medicina natural, sempre que tenho oportunidade, dou uma passada por estas farmácias folclóricas e compro algumas cascas e sementes. Também tenho minha parcela de loucura e de médico. E, jogo tudo dentro de uma garrafa de vinho branco.

Mas ainda tem um ritual para se tomar o composto. Depois de uns quinze dias vinhado, toma-se um pequeno cálice e entra debaixo do chuveiro. Pode não curar muita coisa, nunca parei para calcular os benefícios, mas a sensação do álcool tomado se espalhando pelo corpo junto com a água, é um bálsamo.

 

Maria Nilza de Carvalho

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais