33 C
Jacobina do Piauí
21 de maio de 2024
Cidades em Foco
GeralInternacional

Polícia espanhola prende quatro suspeitos de pendurar boneco em alusão a Vini Jr.

Foto: Reprodução/Instagram

Quatro pessoas suspeitas de pendurar um boneco representando o jogador Vinicius Júnior, do Real Madrid, enforcado em uma ponte rodoviária em Madri, em janeiro, foram presas nesta terça-feira, informou a polícia espanhola. As prisões ocorrem dois dias após o último caso de racismo contra o atacante brasileiro em jogo do Campeonato Espanhol, contra o Valencia.

O episódio do fim de semana teve repercussão mundial, com o repúdio de outros jogadores de futebol, pretos e brancos, de várias equipes, além de personalidades de outros segmentos da sociedade. Vini também se manifestou desta vez de forma mais enfática e deixou no ar a possibilidade de deixar o futebol da Espanha.

O boneco, com uma camisa de Vinicius Júnior, apareceu pendurado, simulando um enforcamento, no dia 26 de janeiro, horas antes da vitória do Real Madrid por 3 a 1 sobre o Atlético de Madrid, pela Copa do Rei. Com ele, havia uma faixa com as palavras “Madri odeia o Real”.

Na sequência do ataque, o clube espanhol do brasileiro denunciou um “lamentável e repugnante ato de racismo, xenofobia e ódio contra o nosso jogador Vinicius”, declarando esperar “que sejam apuradas todas as responsabilidades de quem participou neste ato tão desprezível”. Foi imediatamente aberto um inquérito.

A investigação, baseada principalmente em testemunhos, estabeleceu que esses quatro torcedores suspeitos, “identificados durante os jogos classificados como de alto risco no âmbito da prevenção da violência no esporte”, eram os “presumíveis autores” dos atos, declarou a polícia.

As quatro pessoas, detidas em Madri, são alegadamente responsáveis por um “crime de ódio”, informa o comunicado oficial da polícia. Três delas são “membros ativos de um grupo radical de torcedores de um clube de Madri”. Os presos têm 19, 21, 23 e 24 anos de idade.

Os meios de comunicação da Espanha informaram que a polícia local tinha utilizado câmeras de segurança para identificar os autores do crime, mas até agora não tinham sido tomadas quaisquer medidas. A mensagem de ódio na faixa é frequentemente utilizada por um dos grupos de torcedores do Atlético de Madrid, que negou ter sido responsável pela exibição. A polícia não disse imediatamente se os detidos tinham alguma ligação com esses torcedores.

Vinicius Júnior tem sido alvo de repetidos ataques racistas na Espanha, especialmente após ter começado a festejar os seus gols dançando. Ele denunciou que as provocações se tornaram perseguições contra ele dentro de campo. Em seis cidades diferentes da Espanha, o jogador brasileiro sofreu agressões racistas.

No último ataque, no fim de semana, o jogo contra o Valencia foi temporariamente interrompido depois de Vinicius ter ouvido parte da torcida rival o chamar de “macaco” no segundo tempo. Ele apontou para o local da arquibancada de onde vinham os insultos e o árbitro Ricardo de Burgos decidiu paralisar a partida.

A partida foi retomada após um aviso no sistema de som do estádio, que pedia o fim das manifestações racistas. Minutos depois, em uma confusão generalizada em campo, o brasileiro deixou o braço no rosto de Hugo Duro e foi o único jogador expulso já nos acréscimos.

O brasileiro recebeu apoio de dirigentes e atletas de todo o mundo e criticou fortemente o futebol espanhol por não fazer mais para acabar com o racismo. O Valencia disse que a polícia identificou um dos torcedores que teriam insultado Vinicius durante o jogo. O Real Madrid levou o caso ao Ministério Público, considerando-o um crime de ódio. A liga espanhola registrou nove queixas de casos de racismo contra Vinicius nas últimas duas temporadas.

Cristo Redentor apaga luzes

Vinicius Junior reagiu ao Cristo Redentor com as luzes apagadas e agradeceu as mensagens de apoio após ter sido vítima de novos ataques racistas na Espanha.

O atacante do Real Madrid afirmou que ficou emocionado com a ação de solidariedade no Cristo Redentor. O ponto turístico ficou apagado entre as 18h e 19h (de Brasília) desta segunda (22) em repúdio ao episódio que ocorreu no Estádio Mestalla.

Vini Jr agredeceu “toda a corrente de carinho e apoio” que vem recebendo nos últimos meses. Ao todo, ele foi alvo de nove episódios de racismo em território espanhol, e apenas dois tiveram punições.

O brasileiro ainda disse que está “pronto e preparado” se tiver que sofrer mais para que as futuras gerações não passem por casos semelhantes. Ele ressaltou que tem um propósito na vida e que quer “inspirar e trazer mais luz à nossa luta”.

Mensagem no Cristo

A ação foi uma cooperação entre a CBF, o Observatório da Discriminação Racial no Futebol e o Núcleo de Esporte e Fé do Santuário Arquidiocesano Cristo Redentor.

As entidades afirmaram que a iluminação foi desligada “como símbolo da luta coletiva contra o racismo e em solidariedade ao jogador e a todos os que sofrem preconceito no mundo inteiro”.

Vini Jr tem sido alvo de longa data das torcidas espanholas. A primeira denúncia relativa a um insulto racial ocorreu em outubro de 2021, durante clássico contra o Barcelona, e a mais recente foi no jogo com o Valencia, no domingo (21).

Racismo

Torcedores do Valencia gritaram ‘Mono’ (macaco, em tradução literal) para o brasileiro aos 15′ do segundo tempo do duelo de domingo (22), pela 35ª rodada do Espanhol. Vinicius Jr discutiu rapidamente com alguns torcedores, mas a partida continuou.

O jogo foi paralisado cerca de dez minutos depois com a reincidência da ofensa racista. O locutor do estádio pediu para que os gritos fossem encerrados sob ameaça de o jogo ser suspenso.
Na sequência, o brasileiro identificou o torcedor que cometeu o ato racista. Ele, no entanto, foi novamente insultado por torcedores do Valencia ao tirar satisfação.

Vinicius Jr ainda foi expulso no final do jogo após uma confusão generalizada com jogadores adversários. O goleiro Mamardashvili discutiu com o brasileiro, que chegou a levar um mata-leão de Hugo Duro enquanto a briga era separada.

Fonte: Folhapress/Estadão Conteúdo

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais