27.3 C
Jacobina do Piauí
15 de junho de 2024
Cidades em Foco
GeralPolítica

Governo exonera toda direção do CEM após morte de adolescente em cela

A Secretaria Estadual de Assistência Social e Cidadania (Sasc) exonerou a equipe que comandava a direção do Centro Educacional Masculino (CEM).  As demissões ocorreram quatro dias após a morte do adolescente Gleison Viera da Silva, 17 anos, condenado por participar do estupro coletivo contra garotas em Castelo do Piauí. Uma delas, Danielly Rodrigues, de 17 anos – morreu após ter afundamento da face.

Deixaram o cargo o gerente de internação do CEM, Herbert Neves; o diretor educacional de atendimento socioeducativo da Sasc, Anderlly Lopes e o coordenador do CEM, Marivaldo Viana.

“O diretor do CEIP, interinamente, vai comandar a partir de amanhã a coordenação do CEM , estarei assumindo a direção da unidades de atendimento socioeducativa”, afirmou à TV Cidade Verde,  o capitão Anselmo Portela. O atual do diretor do CEIP é o subtenente Emerson Oliveira.

Segundo Anselmo, um nome ainda será buscado para assumir  a gerência do CEM. “Nós estamos em análise de um nome com este novo perfil operacional.

Após fechar a nova equipe, a SASC deve  iniciar o processo de reforma do CEM. “O diretor financeiro já esteve visitando as instalações e nós iremos fazer um relatório da situação da unidade e também iremos dinamizar a questão do fluxo de saída”, afirmou.

O promotor Glécio Setúbal, coordenador do Centro de Apóio à Infância e Juventude, disse que a mudança no CEM faz parte da própria investigação. “O interessante é que as autoridades se afastem para que haja mais liberdade para se apurar os fatos ocorridos. Na realidade, a mudança em si não vai mudar efetivamente o que está representado. O que se tem que fazer de fato é a implementação da lei”, afirmou.

Entenda o caso

O promotor da 2ª Vara da Infância e da Juventude, Maurício Verdejo, solicitou uma investigação para apurar a morte do adolescente no CEM. Ele também abriu um inquérito administrativo para saber quem tem a responsabilidade pela morte.

Gleison Vieira foi espancado até a morte por volta das 23 horas de quarta-feira na ala D do CEM. Os suspeitos são os três adolescentes acusados do estupro coletivo de Castelo, juntamente com a vítima. Eles teriam confessado ao gerente de internação do CEM o crime no local, mas não informaram o motivo. No entanto, o promotor de Castelo, Cezário Cavalcante, afirmou que o jovem já havia sido ameaçado de morte pelos comparsas, por ter sido o delator do grupo sobre o crime, inclusive contando detalhes do que ocorreu.

A morte de Gleison foi comemorada no município, o que fez com que a família o enterrasse em Teresina com medo de represálias. Havia a informação de que queriam queimar o caixão, caso fosse levado à cidade.

O estupro coletivo de quatro garotas ocorreu no dia 27 de maio. Além de violentadas, elas foram agredidas, apedrejadas e arremessadas de uma altura de oito metros no morro do Garrote, onde tinham ido para tirar fotos. Uma delas, Danielle Rodrigues, não resistiu e morreu dez dias depois. Um adulto, Adão José da Silva, 40 anos, está preso acusado de ser o líder da barbárie que contou com a participação de quatro adolescentes, um deles de 14 anos.

 

 

Fonte: Hérlon Moraes / Cidade Verde

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais