18 de abril de 2024
Cidades em Foco
DestaqueGeralPiauí

Em protesto, mulheres pedem políticas públicas e que a nova geração rejeite a cultura da violência

Foto: Yala Sena

Barrar a violência contra a mulher deve ser com ações dentro de casa, na escola e em todos os ambientes. Com esse alerta um grupo de mulheres foram as ruas de Teresina, neste 08 de março, pedindo políticas públicas, advertindo contra o feminicídio e chamando atenção da nova geração sobre a cultura da violência doméstica.

O ato aconteceu na praça do Fripisa, no Centro de Teresina. Distribuindo placas de rua em homenagem a Marielle Franco, que foi rasgada por bolsonaristas, com cartazes e lembrando de mulheres que foram mortas, elas fizeram caminhada até a praça Rio Branco. Representantes da Articulação de Mulheres Brasileira,  seccional Piauí, apresentaram uma peça criticando a Câmara Federal sobre a discussão do orçamento público e Arthur Lira (PP/AP), presidente da Câmara.

“O orçamento está sendo sequestrado pela lei das emendas impositivas criada no governo Bolsonaro e nós mulheres é quem perde, porque são menos recursos para a saúde, assistência social, educação e o dinheiro é para comprar votos. Que tenhamos mais recursos para as políticas públicas em defesa das mulheres”, disse Patrícia Castro, da AMB.

Ana Célia Santos, da Frente Popular de Mulheres contra o Feminicídio, destacou que hoje é um dia de luta, em busca pelo respeito, e pra dizer que estamos vivas e existimos.

“Precisamos de políticas públicas, de respeito aos nossos direitos e principalmente para denunciar todas as formas de violência. Que eduquem as novas gerações com a cultura da não violência e de igualdade de direitos”.

Halda Regina, do Instituto de Mulheres Negras do Piauí, destacou que 8 de março é um dia construído por todas as mulheres no mundo.

“É um dia que as mulheres negras param para refletir. Se para uma  mulher é muito difícil, ser uma mulher negra é mais difícil ainda. A violência  triplica, aumentado cada vez mais, os abusos e os assédios”, disse.

Para denunciar os agressores, as mulheres dispõem de uma série de canais no Piauí. Confira:

190 – Polícia Militar

180 – Central de Atendimento à Mulher

0800-000-1673 – Whatsapp “Ei mermã não se cale”

Aplicativo Salve Maria – disponível para Android e IOS

(86) 99414-8857 – Patrulha Maria da Penha

As denúncias de agressão podem ser feitas, presencialmente, numa delegacia, ou via on-line, no site da Delegacia Virtual

Madalena Nunes, da Frente Popular de Mulheres contra o Feminicídio, ressaltou que a violência contra a mulher tem aumentado e o Estado precisa adotar políticas públicas mais consistentes.

“Sabemos que as ações ainda deixam muito a desejar, as delegacias não têm atendimento adequado, muitas mulheres desistem, e que há muitas subnotificações. Tem muito mais mulheres em situação de violência, existem muitos feminicídios que não são considerados feminicídios e precisamos barrar.  O Estado precisa garantir os direitos das mulheres, desestruturando o machismo e adotando políticas que tragam a luta feminista para que de fato possa barrar essa situação de violência”.

Por Yala Sena  / CidadeVerde

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais