31.6 C
Jacobina do Piauí
15 de abril de 2024
Cidades em Foco
GeralInternacionalPolítica

Ciro Nogueira quer ajustar tributação no mercado brasileiro de compra e venda de ativos

Ciro Nogueira / Foto: Cidades em Foco

O primeiro projeto de lei apresentado pelo senador Ciro Nogueira (PP/PI) no retorno ao Senado Federal busca tornar justa a cobrança de tributos no mercado de compra e venda de ativos no país, melhorando a competitividade no mercado de ativos.

O PL 90/2023, proposto pelo senador, veda a disparidade no tratamento tributário do ágio, quando uma empresa tiver domicílio no Brasil, em processos de incorporação, fusão ou cisão.

O objetivo do projeto é assegurar que todos os contribuintes tenham isonomia quando a empresa adquirente for domiciliada no Brasil, sem discriminação alguma em razão da origem dos ativos utilizados para arcar com o custo de aquisição, de quem são seus sócios ou acionistas e das suas demais características.

Atualmente, a legislação em vigor não trata essa paridade de forma clara, permitindo diversas interpretações e aumentando a insegurança jurídica em torno do tema.

“O contribuinte convive com multas pesadas e o Estado arca com gastos públicos volumosos, incluindo custos com o Poder Judiciário, apenas para lidar com as discussões sobre o tema. Tudo isso traz uma enorme ineficiência econômica para o nosso país, fazendo com que gastemos de forma improdutiva recursos que poderiam estar disponíveis para muitos outros fins, como saúde e educação”, explicou Ciro na justificação do projeto.

Para o senador, essa disparidade vai contra a atração de mais investimentos ao Brasil, criando uma desvantagem competitiva. “É preciso incentivar a entrada de recursos no país, para assim continuarmos crescendo”, defendeu.

O que é o ágio?

Nos termos da legislação fiscal, o ágio é o sobrepreço pago na aquisição de ações ou quotas de outra empresa. Ou seja, quando o estabelecimento é negociado por um valor mais alto que o de mercado, em razão da expectativa de rentabilidade futura do investimento.

Com informações da assessoria parlamentar)

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais