18 de abril de 2024
Cidades em Foco
GeralInternacional

Reajuste Federal: Com 50 mil trabalhadores parados, servidores buscam aumento salarial

Brasília - Rafa Neddermeyer/Agência Brasil

Com mais 50 mil servidores federais em greve o governo enfrenta dificuldades para negociar o reajuste salarial dos trabalhadores de repartições nacionais. Até o momento 16 carreiras decidiram paralisar as atividades em protesto contra o baixo percentual proposto pelo governo Lula. Os trabalhadores marcaram para o próximo dia 03 de abril o Dia Nacional de Mobilização com manifestos e paralisações.

No Piauí técnicos-administrativos da Universidade Federal do Piauí (UFPI) iniciaram no último 18 de março uma greve por tempo indeterminado. O movimento é realizado em conjunto com servidores técnico-administrativos em educação das universidades federais do Brasil que também iniciaram as greves em diversas instituições. O objetivo dos servidores é pressionar o governo por um reajuste do salário para o ano de 2024 e melhorias nos planos de carreira.

A estratégia do governo Lula é conceder um reajuste de salário do servidor de forma nominal a determinadas categorias, proposta que não agrada os trabalhadores que negociam um reajuste linear do salário para todas as categorias pelos próximos três anos.

Em dezembro a União formalizou uma proposta de reajuste para as carreiras. A proposta inclui a reestruturação de carreiras e o reajuste do salário de 9% em duas parcelas, uma em 2025 e outra em 2026. Na prática a proposta apenas corrigiria a perda inflacionário de 2023.

De acordo com a Fórum Nacional Permanente de Carreiras Tipicas do Estado (Fonacate) duas contrapropostas foram apresentadas aos representantes do ministério, a primeira um reajuste de 34,32% dividido em três parcelas iguais de 10,34%, em 2024, 2025 e 2026, para o servidor que em 2015 firmaram acordos por dois anos (2016 e 2017). A segunda um reajuste de 22,71% dividido em três parcelas iguais de 7,06%, em 2024, 2025 e 2026, para os servidores que em 2015 fecharam acordos salariais por quatro anos (2016 a 2019).

Os servidores públicos federais defendem fortemente as negociações com o governo federal em torno da contraproposta entregue em janeiro ao secretário de Relações de Trabalho do MGI, José Lopez Feijóo, referente à recomposição remuneratória, com reajuste para aqueles que firmaram acordo por quatro anos (2016 e 2019): uma correção de 22,71% dividida em três

Na última reunião com a Mesa Nacional de Negociação Permanente (MNNP), em 28 de fevereiro, o secretário manteve a proposta que prevê a recomposição de 9% entre 2025 e 2026 e reajuste zero este ano. Feijóo ainda informou que qualquer outra proposta depende do aumento na arrecadação.

Fonte: O Dia

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais