26.9 C
Jacobina do Piauí
17 de julho de 2024
Cidades em Foco
DestaqueGeralInternacionalNordeste em Foco

Junho de 2024 foi o mais quente já registrado na história

Sol / Calor/ Temperatura / Foto: Climatempo

O mundo atingiu mais um marco preocupante no que diz respeito ao aquecimento global: junho de 2024 foi o mais quente já registrado na história. Este é o 13º mês consecutivo em que a temperatura média global bate recordes, segundo dados da Agência Climática Copernicus, uma instituição europeia especializada no monitoramento das mudanças climáticas.

O professor Rafael Marques, Mestre em Estudos Regionais e Geoambientais e doutorando em Geografia pela Universidade Federal de Minas Gerais, explica que a temperatura média dos últimos meses foi 1,5 °C acima da média da era pré-industrial. Em termos simples, isso significa que o planeta está consistentemente mais quente do que era antes da Revolução Industrial, que começou no final do século XVIII.

“Isso indica claramente a emergência climática que estamos vivenciando e a necessidade urgente de políticas públicas para atenuar esse aumento”, afirmou o professor.

Os dados mostram que o clima está mudando rapidamente. Na Europa, por exemplo, vários países registraram temperaturas acima de 50°C, algo que antes era raro. O ano de 2023 foi o mais quente já registrado e 2024 está a caminho de ser ainda mais quente.

“Essas altas temperaturas afetam os sistemas naturais e ecológicos e também a biodiversidade e as populações humanas. Está muito evidente que o aumento médio da temperatura tem ocorrido de forma consecutiva”.

Rafael MarquesProfessor e Doutorando

O aumento das temperaturas não só afeta diretamente o clima, mas também a superfície dos oceanos, que têm registrado temperaturas recordes. “O aquecimento dos oceanos impacta a atmosfera e exacerba fenômenos climáticos extremos, como furacões e tempestades”, explicou.

Os gráficos que acompanham esses dados mostram que a partir dos anos 2000, houve um aumento significativo na temperatura média global, rompendo o equilíbrio observado nas décadas anteriores. Fenômenos naturais como o El Niño, que aumentam temporariamente as temperaturas, estão se tornando mais intensos devido às atividades humanas que emitem gases de efeito estufa.

Os blocos no mapa de calor mostram a anomalia de temperatura para cada mês desde 1970 - (Reprodução)Reprodução

Os blocos no mapa de calor mostram a anomalia de temperatura para cada mês desde 1970

A principal causa do aquecimento global, todavia, é a emissão de gases de efeito estufa, resultantes das atividades humanas. “Estamos vivendo um período crítico, e se não agirmos rapidamente para reduzir as emissões de poluentes, as previsões para os próximos 30 anos não são nada positivas”, afirmou.

A urgência de ações mais concretas para mitigar o problema é evidente. Com o aumento das temperaturas, o mundo se aproxima dos limites estabelecidos pelo Acordo de Paris, que visa manter o aumento da temperatura global abaixo de 1,5°C.

“Cada mês que passa com temperaturas recordes nos afasta desse objetivo e coloca em risco o futuro do planeta. Precisamos de políticas públicas eficazes para mitigar essas mudanças climáticas. O Brasil tem sido um modelo positivo em algumas áreas, mas é necessário um esforço global. Países desenvolvidos e grandes emissores de poluentes precisam adotar medidas rigorosas para controlar suas emissões e cumprir os acordos internacionais, como o Acordo de Paris”, disse Marques.

Fonte: O Dia

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais