28.1 C
Jacobina do Piauí
27 de fevereiro de 2024
Cidades em Foco
DestaqueGeralPaquetá do Piauí

Baixa umidade no Piauí chega ao nível de alerta com risco de incêndios florestais e à saúde

Cidade de Paulistana - Foto: Cidades em Foco!

A baixa umidade no Piauí chegou, mais uma vez, ao nível de alerta nesta sexta-feira (20). Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), mais de 200 municípios deverão sentir, em maior ou menor proporção, o fenômeno que dura até o período da noite, podendo afetar diretamente a saúde da população, além de trazer risco de incêndios florestais.

No sul do estado, 153 cidades enfrentam dois alertas: amarelo (perigo potencial) e laranja (perigo). Nessa área, a umidade relativa do ar deverá variar entre 20% e 12%, sendo a mesma que ocorre em regiões desérticas. O Inmet alertou para o risco à saúde, pois a umidade muito baixa (menos que 30%), pode agravar alergias, sinusites, asma e outras doenças.

Em outros 66 municípios, dentre eles a capital, Teresina, a umidade relativa do ar deverá variar entre 30% e 20%. Entre as orientações oferecidas pelo Inmet, no boletim de situação meteorológica crítica, estão:

  • Ingerir bastante líquido;
  • Evitar exposição ao sol nas horas mais quentes do dia;
  • Usar hidratante para pele;
  • Umidificar o ambiente.

É possível morrer de calor?

Em entrevista, o doutor em fisiopatologia, área da medicina que estuda funções anormais ou patológicas de órgãos e aparelhos do organismo, Ginivaldo Victor, falou sobre se é possível morrer de calor:

“Sim. A exposição prolongada ou excessiva a ambientes quentes, sem hidratação adequada ou combinada com esforço físico de alta intensidade, como quem pratica esporte ou faz trabalho braçal, pode levar a uma condição conhecida como hipertermia”, explicou.

O médico ressaltou que esse é um cenário extremo, de calor e de esforço físico muito intenso, mas, no contexto habitual da população, durante esse período de altas temperaturas, também é comum haver casos de desidratação.

“Pode acontecer sintomas como fraqueza, moleza, sonolência, falta de apetite, náuseas, vômitos e tonturas. Em cenários mais graves, o coração acelera, a frequência respiratória aumenta e, eventualmente, pode evoluir para um colapso, em que a pessoa desmaia ou entra em coma”, afirmou.

Cuidados

O médico Ginivaldo Victor ressaltou que alguns cuidados são importantes para enfrentar esse período.

“O principal é a hidratação. É importante estar bem hidratado, com urina clara, que é um sinal de que a quantidade de água está adequada”, alertou.

Veja algumas dicas:

  • Fazer a ingestão de bastante líquido (água e suco);
  • Suspender exercícios físicos e trabalhos ao ar livre entre 10h e 16h;
  • Evitar aglomerações em ambientes fechados; e
  • Usar soro fisiológico para olhos e narinas.

“Se for ficar exposto ao sol, utilizar proteção solar, chapéu ou boné, procurar uma sombra eventualmente. É fundamental procurar fazer uma alimentação leve, com utilização de frutas, para atingir uma quantidade adequada de líquidos no corpo”, completou o médico.

Baixa umidade no Piauí chega ao nível de alerta com risco de incêndios florestais e à saúde — Foto: SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS

Baixa umidade no Piauí chega ao nível de alerta com risco de incêndios florestais e à saúde — Foto: SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS

Fonte: G1-PI

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais