35.7 C
Jacobina do Piauí
18 de maio de 2024
Cidades em Foco
GeralInternacionalNordeste em Foco

Piauí tem queda de sindicalizações, mas ainda possui maior percentual do país

Carteira de Trabalho — Foto: Divulgação

Apesar de uma queda de 20% no número de trabalhadores sindicalizados em dez anos, o Piauí ainda mantém o segundo maior percentual do país. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), divulgados pelo Instituto Brasileira de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira (15).

O estudo revela que cerca de 23% dos trabalhadores possuíam filiação sindical em 2012, chegando a mais de 28% em 2014, mas caindo para 18% em 2022 em relação ao início da série histórica. A queda foi a segunda maior do país neste período, atrás apenas de Tocantins, que registrou uma redução de 12%.

Apesar da queda na sindicalização, o Piauí se manteve como a unidade da federação com o maior percentual de trabalhadores sindicalizados no país, mesma posição que também ocupava em 2012.

No Brasil, em 2012, havia 16,1% de trabalhadores sindicalizados, indicador que reduziu para 9,2% em 2022, uma queda de 42,85%. Dentre os estados, a maior redução na sindicalização ficou com o Amapá, com 71,22%, onde em 2012 havia cerca de 13,9% de sindicalização, tendo reduzido para 4% em 2022, no que foi o menor percentual de trabalhadores sindicalizados do país.

Em 2022, o indicador de mulheres sindicalizadas no Piauí era de 22,5%, enquanto de homens era de 16,2%, inferior ao das mulheres em 6,3 pontos percentuais. No Brasil o indicador quanto ao sexo da pessoa sindicalizada estava mais equilibrado, sendo de 9,3% para as mulheres e de 9,1% para os homens.

A sindicalização no país apresenta um aumento de acordo com o nível de instrução da pessoa, sendo de 19,3% para aqueles sem instrução e nível fundamental incompleto, passando a 35,4% para aqueles com ensino médio e superior incompleto, e 35,3% para aqueles com ensino superior.

Queda na ocupação

O levantamento ainda constatou que o setor agropecuário piauiense registrou uma queda de 45% em relação ao número de pessoas ocupadas.

Em 2012, o setor era o que mais ocupava mão de obra no estado, com 23%, tendo reduzido em 2022 para 13%. No Brasil, a agropecuária também foi o setor que mais apresentou redução de pessoal ocupado, com queda de 21,92% no período, tendo passado de 11,4%, em 2012, para 8,9%, em 2022.

No Piauí, na série histórica de 2012 a 2022, além da agropecuária outros três grupamentos de atividades também apresentaram redução de pessoal ocupado: serviços domésticos (-21,25%), indústria geral (-15,85%) e a construção (-2,27%).

Por sua vez, apresentaram crescimento de pessoal ocupado os seguintes grupamentos de atividade: o da Informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas (60%); alojamento e alimentação (42,85%); administração pública, defesa seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais (40%); outros serviços (24,32%); comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas (10,55%); e transporte, armazenagem e correio (7,14%).

Com informações do IBGE

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais