27.2 C
Jacobina do Piauí
28 de fevereiro de 2024
Cidades em Foco
GeralInternacional

Médica acusada de antecipar mortes em UTI de Curitiba não irá a júri popular

Foto: Reprodução / TV Globo

A Justiça do Paraná decidiu que a médica Virginia Helena Soares de Souza, acusada de provocar a morte de sete pacientes de UTI entre 2011 e 2013 em um hospital de Curitiba, não irá mais a júri popular. A decisão foi tomada nesta quinta-feira (16) pelos desembargadores da 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça. Foram 4 votos a 1.

O Ministério Público, que fez a acusação no ano de 2013, informou que vai recorrer.

A médica já havia sido absolvida no primeiro grau da Justiça estadual no ano de 2017, mas o Ministério Público recorreu e, em 2021, a 1ª Câmara Criminal do TJ decidiu que ela deveria ir a júri popular, por 2 votos a 1. Como na época houve um voto divergente, a defesa da médica conseguiu recorrer à 2ª Câmara Criminal, e o resultado saiu nesta quinta-feira.

“Ainda que dez anos depois, e com a destruição da carreira da médica acusada, finalmente, foi reconhecida a inexistência de fato criminoso”, disse o advogado Elias Mattar Assad, em nota. Ele vinha sustentando que não houve crimes, mas apenas “prática de medicina intensiva pura e simples”.

No julgamento desta quinta-feira, desembargadores argumentaram, de modo geral, que não há prova de materialidade suficiente para levar o caso a júri popular. E que uma suposta combinação letal de medicamentos não estaria demonstrada.

Em nota, o Ministério Público disse que “adotará as medidas cabíveis no sentido de recorrer para que o caso seja julgado pelo Tribunal do Júri” e “reitera a ocorrência de crimes de homicídio, praticados pela denunciada contra pacientes que estavam sob seus cuidados na Unidade de Terapia Intensiva”.

A Promotoria acrescentou que, além dos setes casos iniciais que desencadearam as investigações, a acusada responde pela prática de outros 82 homicídios.

“As respectivas ações penais encontram-se em fase de instrução judicial. Existem, ainda, mais de 100 inquéritos policiais em trâmite relacionados aos ilícitos praticados”.

Para o advogado Mattar Assad, o Ministério Público está “criminalizando o exercício da medicina”. Ele acredita que os casos que ainda tramitam na Justiça Estadual devem ter o mesmo desfecho, com a absolvição da médica.

Ao fazer a denúncia, em 2013, o Ministério Público disse que se baseou no inquérito policial feito pelo Nucrisa (Núcleo de Repressão aos Crimes Contra Saúde) e levou em conta “testemunhos de dezenas de pessoas ouvidas na investigação, interceptação telefônica e prontuários médicos”.

Em 2013, a médica Virgínia Helena foi acusada pelo Ministério Público de sete homicídios duplamente qualificados e formação de quadrilha. Outras sete pessoas foram denunciadas.

De acordo com a denúncia, sob a liderança da médica Virgínia Helena, os profissionais da UTI do hospital faziam uso “insidioso e sorrateiro de instrumentos, medicamentos e equipamentos” para “cometer homicídios de pacientes internados”.

Segundo a acusação, para liberar leitos e “girar a UTI”, a médica provocava a morte de pacientes por asfixia, a partir de uma orientação dada à equipe para “rebaixar os parâmetros ventilatórios dos pacientes então dependentes de ventilação mecânica”.

Fonte: Folhapress

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais