23.9 C
Jacobina do Piauí
23 de abril de 2024
Cidades em Foco
EntretenimentoGeralSaúde

Lair Guerra, piauiense indicada ao Nobel da Paz, morre aos 80 anos em Brasília

Foto: Arquivo Pessoal

A biomédica piauiense Lair Guerra, que coordenou o Programa Nacional de Controle e Combate a Aids do Ministério da Saúde, morreu aos 80 anos na manhã desta quarta-feira no Hospital Santa Luzia, em Brasília.

A informação foi confirmada pelo irmão de Lair Guerra, pastor Júlio Borges. Ele informou que o corpo dela será cremado.

Lair guerra foi indicada ao Prêmio Nobel da Paz pelo trabalho pioneiro com o programa de combate a Aids, que foi um exemplo para o mundo.

Desde janeiro, ela estava internada na UTI do Hospital Santa Luzia após diagnostico de pneumonia. A piauiense chegou a ser entubada e nos últimos 10 dias teve uma piora significativa no quadro médico.

Em 1996, Lair sofreu um acidente de carro na cidade de Recife e vinha enfrentando sequelas deixadas pelo episódio. Na ocasião, ela estava na capital pernambucana para participar de uma palestra sobre Aids quando o taxi que a levava para a conferência bateu em um ônibus.

Após o acidente, a biomédica passou dois meses em coma, após tratamento conseguiu retornar para casa utilizando uma cadeira de roda e outras sequelas.

Referência mundial 

No dia das mulheres, o Cidadeverde.com resgatou a história de Lair Guerra, uma homenagem a piauiense que marcou a corrida contra a Aids na década de 80 e 90. Agora, dia 28 de março, a biomédica faria 81 anos.

Nascida em 1943 no povoado Gety, antes pertencente ao município de Parnaguá, hoje Curimatá (a 775 km de Teresina), Lair Guerra, graduou-se na Universidade Federal de Pernambuco. Casou-se em 1962.

Em 1977 começou a lecionar Microbiologia na Universidade Federal do Piauí (UFPI) e a administrar o laboratório da universidade. Ela também foi professora da UnB (Universidade de Brasília). A piauiense fez pós-graduação no Centro de Controle de Doenças (CDC) e em Harvard, nos Estados Unidos.

Ao obter bolsa da Organização Pan-americana de Saúde foi morar em Atlanta, na Geórgia (EUA), com a família. Na cidade americana atuou como pesquisadora visitante na área de doenças sexualmente transmissíveis no Center for Disease Control (Centro de Controle de Doenças). Paralelamente, cursou o mestrado em Microbiologia na Georgia State University, enquanto acompanhava as primeiras pesquisas sobre o vírus HIV.

Ao retornar ao Brasil dirigiu o Programa de Saúde Materno-Infantil do Ministério da Saúde. Devido à sua experiência, foi nomeada para coordenar o programa brasileiro de controle DST/Aids, que virou um exemplo para todo o mundo.
Incansável, Lair Guerra, enfrentou a burocracia, falta de recursos e o preconceito. De barco, carro ou avião, ela percorreu o Brasil e o exterior intensificando campanhas de esclarecimento e popularizando palavras como “preservativo” e “combate ao HIV”.

Mobilizou o país para as fiscalizações dos bancos de sangues e se aliou às organizações não-governamentais para adotar políticas públicas de enfretamento à doença e pelo direito dos portadores. Uniu ciência às questões sociais.

Por Yala Sena – Cidade Verde

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais