33.7 C
Jacobina do Piauí
14 de julho de 2024
Cidades em Foco
Sem categoria

Jovem é demitido após denunciar colega por fala racista sobre ofensas contra Vini Júnior: ‘disse que todo preto era macaco’

Jovem é demitido após denunciar racismo praticado por colega de trabalho em Teresina: 'disse que todo preto era macaco' — Foto: Reprodução

O jovem Abraão Teixeira contou ter sido demitido após denunciar um colega de trabalho por falas racistas dentro da empresa onde ambos trabalhavam. Segundo ele, o colega, que foi preso em flagrante, fez declarações de apoio à escravidão do povo negro e outras declarações ofensivas. O rapaz conversava sobre os atos racistas contra o jogador Vini Júnior, quando foi surpreendido pelo colega. “Disse que todo preto era macaco”, relatou a vítima.

O caso aconteceu há cerca de 15 dias em uma empresa de Teresina. Abraão preferiu não identificar o colega e nem a empresa, pois o caso continua sob apuração policial e está sendo investigado como injúria racial.

Ele estava conversando com um colega sobre o racismo sofrido pelo jogador Vini Júnior na Espanha, quando foi surpreendido com a reação de outro funcionário. Além de cometer racismo, o suspeito deixou claro para a vítima que confiava na impunidade.

“Ele chegou na conversa afirmando que todo preto é macaco e a escravidão nunca deveria ter acabado, e que eu poderia filmar ele, pois não daria em nada. Nossos colegas de trabalho ficaram pasmos, ficou aquele clima tenso, pesado e todos ficaram olhando para mim”, contou o operador de máquinas Abraão Teixeira.

A vítima contou ter buscado uma punição interna contra o funcionário que teve a postura discriminatória, mas a resposta foi de tentar minimizar a situação. Depois de procurar superiores dentro da empresa e ouvir que a punição só ocorreria se a situação voltasse acontecer, Abraão decidiu procurar uma delegacia e registrou um boletim de ocorrência.

O suspeito foi preso em flagrante no mesmo dia. Contudo, a vítima foi comunicada no fim da tarde que estava sendo demitida por denunciar o caso. Segundo Abraão, a abordagem da empresa para a demissão foi grosseira e agressiva. Ele acabou punido por denunciar a ocorrência de um crime.

“O dono da empresa não me chamou para ir à sala dele. O chefe chegou em uma abordagem agressiva, alterado, e falando que eu não sabia o que era dormir em uma cadeia e por isso não tinha direito algum de levar um funcionário dele para a prisão. E que eu poderia pegar os meus traumas, tudo o que estava acontecendo comigo, e levar para casa. Ele simplesmente me demitiu e falou que eu não precisava ir no outro dia”, contou.

O advogado da vítima, Erson Lima, lembrou que o crime de injúria racial direcionado para uma pessoa foi comparado ao racismo, com pena de prisão que varia de 2 a 5 anos, inafiançável e sem prescrição. Ele acredita que a postura da empresa foi como uma segunda discriminação e por isso vai pedir uma reparação na Justiça do Trabalho.

“Cabe uma reparação diante do dano ocorrido com o Abraão, que pode ser de forma objetiva e que independente da comprovação da culpa. Estamos em uma situação quando o Abraão foi buscar o superior hierárquico não teve solução. Foi demitido sem justa causa e foi discriminado porque reivindicou os direitos dele”, explicou.

Fonte: G1-PI

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais