27.3 C
Jacobina do Piauí
15 de junho de 2024
Cidades em Foco
EsportesGeral

Há 45 anos, Brasil conquistava tri com show e transformava seleção em lenda

Uma seleção brasileira sem questionamentos. É impossível encontrar um time que não seja alvo de palpites ou dúvidas dos torcedores, mas a equipe que deu o tricampeonato mundial de futebol ao Brasil pode ser considerada perto do que se é considerado à prova de críticas. O time montado por Zagallo conquistava a Copa há exatos 45 anos, com um triunfo inquestionável sobre a Itália na Cidade do México.

A goleada por 4 a 1 no estádio Azteca foi o ápice de uma campanha que transformou um time em lenda. A equipe não era perfeita, mas poderia ser apontada como tal. A seleção brasileira contava com craques como Rivellino, Tostão, Gérson, Clodoaldo, Carlos Alberto e Jairzinho. Pelé, o maior de todos, completava o elenco estrelado.

A final contra a Itália, que valia a posse definitiva da taça Jules Rimet, foi palco para um show do Brasil. Ainda que o primeiro tenha terminado empatado, com Pelé abrindo o placar de cabeça e Boninsegna empatando para os italianos, a superioridade verde e amarela ser confirmada no placar era questão de tempo.

Uma preparação física irretocável dava o fôlego necessário ao time diante de condições pouco favoráveis. A altitude e o calor mexicanos – os jogos foram realizados por volta do meio-dia, exigência da TV – deixaram os italianos em apuros. O Brasil sobrava em campo.

E a vitória aconteceu de maneira épica. Após o intervalo, o Brasil dominou todos os cantos do gramado mexicano. Com gols de Gérson, Jairzinho e Carlos Alberto, a seleção selou a goleada por 4 a 1.

1000

O Brasil foi campeão vencendo todos os seus jogos – foram seis vitórias em seis jogos, 19 gols a favor e sete contra. Um time memorável que teve a honra de ter confirmado o Brasil como o primeiro tricampeão do mundo.

O que se viu a seguir no estádio Azteca era o reconhecimento imediato do que a seleção brasileira fez para o futebol. Milhares de torcedores invadiram o gramado para tocar, falar ou até mesmo tirar peças do uniforme dos atletas brasileiros. Eles fizeram o necessário para ter seus nomes na história. De um lugar que ninguém ousaria questionar.

 

 

Fonte: UOL

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais