18 de abril de 2024
Cidades em Foco
GeralNordeste em Foco

Famílias agricultoras cuidam das sementes crioulas e garantem diversidade no Semiárido

Dona Maria Ildete Santana Oliveira vem acompanhando a construção do banco Sementes da União, na comunidade de Poço Cumprido, no município baiano de Vitória da Conquista. Enquanto o banco não se constitui, as sementes passaram de estocadas em casa para guardadas na sede da associação. Dona Maria e Manoel, seu esposo, aprenderam com os pais a tradição de estocar sementes a mais de 30 anos. A armazenagem era feita em tambores de zinco, mas a família aprendeu com o tempo e com a participação em processos de formação a estocar em garrafas pets as sementes de milho, feijão de corda, feijão guandu, abóbora e melancia. Enquanto o trabalho continua, o banco está sendo construído coletivamente por mais de dez famílias de Poço Cumprido. “O banco vai melhorar a nossa vida por que não vamos ter que comprar sementes. Vai ser bom pra gente comer, pra poder ajudar a quem precisa. Tem ano que dá mais e a gente pode ajudar”, conta. (http://www.asabrasil.org.br/Arquivos/candeeiro_ba_2041.zip)

 
Dona Maria e Seu Manoel estocam sementes há 30 anos. | Foto: Arquivo Cedasb

Assim como conta Dona Ildete, as sementes são parte da história de milhares de famílias no Semiárido brasileiro. A mulher e o homem do campo vêm contribuindo com a resistência das espécies crioulas e com a preservação de um patrimônio genético guardado em um Semiárido rico, ao cultivá-las livres de agrotóxicos. O plantio respeita o solo e cuida da saúde de quem planta e se alimenta. Cada região cuida de uma forma desse patrimônio, dá nomes, sabe o tempo de colher e de plantá-la. Faz uso da semente para se alimentar e para narrar a sua história passada de avós para pais, para filhos e filhas sertanejos/as. Esse conhecimento das famílias agricultoras é uma prática que a Articulação Semiárido Brasileiro (ASA) valoriza e reconhece como um valor inestimável e insubstituível para a construção da convivência com o Semiárido. Por isso, a rede acaba de lançar o Programa Sementes do Semiárido apoiado pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) e Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES).

Segundo o coordenador do Programa Uma Terra e Duas Águas (P1+2) da ASA, Antônio Barbosa, a Articulação vem ao longo dos seus 15 anos de história sistematizando a prática de experiências dos agricultores – entre elas a relação com as sementes. As sementes ganharam nomes característicos nos estados, como: Sementes da Vida (Ceará), Sementes da Fartura (Piauí), Sementes da Liberdade (Sergipe), Sementes do Meu Avô (Bahia), Sementes da Paixão (Paraíba), Sementes da Gente (Minas Gerais) e Sementes Crioulas (Pernambuco e Rio Grande do Norte). Identificar, resgatar, estocar e multiplicar para reconstituir o patrimônio genético das famílias e fortalecer sua autonomia estão entre os objetivos do Programa.

“O Programa Sementes do Semiárido é a continuidade da ação da ASA, que conseguiu consolidar uma proposta no campo da água de beber, já se fala em quase um milhão de cisternas; conseguiu avançar na perspectiva de água para produção, já são em torno de 120 mil famílias com água pra produção. Desse número só a ASA foi responsável por mais de 85 mil. A ASA assumiu para si um compromisso de construir um programa de sementes no seu último EnconASA [Encontro Nacional da ASA], e vem discutindo com um conjunto de parceiros como MDS, MDA, BNDES, e com a própria Embrapa”, avalia Barbosa.

O Sementes do Semiárido dará mais um passo importante na perspectiva da convivência com a região, fortalecendo a caminhada da ASA na garantia da segurança e soberania alimentar das famílias. É um programa inovador no País e que nasce da prática das comunidades, assim como os outros programas da ASA, numa lógica inversa à construção dos projetos que nascem de cima para baixo. É uma ação que também está inserida na Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica (Planapo) instituída recentemente e que é resultado de uma luta da sociedade civil.

Sementes da União – É no espaço do quintal e do roçado que a vida segue e pulsa no Semiárido. A agricultora Elizângela Ribeiro de Aquino, 43 anos, acredita que a autonomia do agricultor e da agricultora está na semente. Para ela, perdê-las é ficar refém do comércio e não encontrar sementes de qualidade. Desde que nasceu a agricultora recorda a família trabalhando com a proteção das crioulas, conservadas na palha. No ano de 1998, Elizângela foi morar no assentamento Tapera, no município Riacho dos Machados, ao norte do estado de Minas Gerais. A partir de então, ela diz ter nascido um novo espírito, de contribuir com o dia a dia das outras 42 famílias do lugar, com o surgimento do assentamento fundado na proposta agroecológica.

 
 Agricultora do norte de Minas, Elizângela Aquino, acredita que autonomia das famílias está na semente. | Foto: Arquivo CAA-NM

A agricultora planta a semente do milho coruja e catete, do maxixe, abóbora e arroz. Parte do que produz é comercializado pelas famílias na cooperativa. Há 8 anos a comunidade está empenhada em construir a Casa Comunitária Sementes da Geração. “Estamos ampliando a casa com projeto de Fundo Solidário. A gente faz um trabalho de conscientização para tentar atingir 100% das famílias sobre a importância da preservação do cerrado para a continuidade da água”, conta. Enquanto a casa não é construída, Elisângela e as famílias se reúnem na Associação Nossa Senhora das Oliveiras para debater sobre causas importantes como a ameaça apresentada pelos transgênicos e o quanto as mudanças climáticas interferem na preservação das sementes crioulas.

As famílias moram numa área de 3 mil hectares de uma fazenda com 24 mil hectares. No passado, o fazendeiro da região criava gado. Hoje há uma floresta de eucalipto para sustentar a demanda de uma empresa instalada na área. ‘Remando contra a maré’, a associação faz um trabalho de preservação das nascentes dos rios para que permaneçam vivas.

“Temos uma diversidade muito grande de sementes. E as pessoas tem uma relação afetiva com as sementes. A semente está associada à identidade, à comida, mexe em muita coisa e envolve pessoas. As sementes já são estocadas pelas famílias, e estamos ampliando a ideia de estoque comunitário e de como a semente pode servir ao seu entorno”, avalia Antonio Barbosa. O programa da ASA apoiará 640 casas de sementes no Semiárido brasileiro, envolvendo 12.800 famílias agricultoras no fortalecimento da sua identidade e autonomia, a partir da identificação e resgate de sementes crioulas dos territórios, promovendo o estoque e a multiplicação para reestabelecer a base genética.

Desafios – As ameaças vivenciadas pelas famílias do assentamento Tapera são semelhantes às de outras comunidades do Semiárido. É nesse contexto de disputa de projeto e de interesses bastante opostos que o programa de sementes será desenvolvido. “A semente está no centro do projeto hegemonizado pelas grandes empresas ligadas ao agronegócio”, destaca Luciano Silveira, da AS-PTA.

De acordo com Luciano um dos pontos chaves do programa é o fortalecimento das redes territoriais de conservação das sementes que possam trabalhar a dimensão da gestão coletiva de maneira mais ampla. Além disso, outra proposta do programa é que os agricultores possam comercializar sementes crioulas pelo Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), estas sementes serão distribuídas no território abastecendo outros bancos de sementes e agricultores, que terão acesso a sementes adaptadas ao Semiárido e sobre as quais eles construíram e acumularam conhecimentos.  Nessa perspectiva é um exemplo de política pública que reconhece e valoriza as comunidades tradicionais e seus saberes.

Ele também apontou outros desafios relacionados a execução do programa como a relação com o ciclo das chuvas e a necessidade de construir resultados comunitários. “Essa ação tem características próprias em relação aos outros programas da ASA. O principal resultado não é a estrutura que ela deixa. No P1MC e no P1+2 temos uma estrutura hídrica. O foco é na família. No programa de sementes é um resultado de processo”, aponta Silveira.

Teste de transgenia – No Semiárido existem áreas de contaminação com a presença de sementes transgênicas ou melhoradas geneticamente, que sofrem mutações em laboratórios.  A ideia do Programa é também poder identificar essas contaminações a partir de testes de transgenia em casas de sementes e estimular o debate junto às famílias agricultoras. O teste será usado em 24 territórios do Semiárido, avaliando uma média de 10 municípios por cada território. O alcance será de quase um quarto dos municípios da região semiárida. Com o resultado será possível mapear os casos de contaminação e de áreas livres de transgênicos.

 

Com informações Ylka Oliveira – Asacom 

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais