26.8 C
Jacobina do Piauí
22 de junho de 2024
Cidades em Foco
EsportesGeral

Toronto quebra tradição e Cirque du Soleil encanta em abertura do Pan

O melhor ficou para o começo. A tocha que representa o fogo aceso do esporte costuma ser um dos pontos altos de cerimônias de abertura, e por isso é atração guardada para a parte final. Mas Toronto deu seu recado: quer que os Jogos Pan-Americanos na cidade, iniciado oficialmente na noite desta sexta-feira, sejam lembrados por ousar sem desrespeitar tradições.

A chama pan-americana deu as caras logo no início da festa no Rogers Centre, quebrando o protocolo. A coreografia do Cirque du Soleil embalou a chegada da tocha, a cargo dos velocistas canadenses campeões olímpicos do revezamento 4x100m em Atlanta-1996: Carl Chambers, Robert Esmmie, Glenroy Gilbert, Bruny Surin e Donovan Bailey, numa bela homenagens a uma das grandes conquistas do esporte do país – ao fundo do vídeo do revezamento da tocha com os ex-atletas ouvia-se uma narração da final olímpica da prova em que se consagraram.

Na sequência do filme, Bailey, duas vezes campeão olímpico, recebe a tocha do Pan no alto da CN Tower, torre mais alta da América (553,3 metros) e vizinha ao Rogers Centre, e salta de paraquedas. Uma parte do teto do estádio se abre para o canadense, preso a cabos, trazer a chama para o palco, aonde ela seria entregue à jovem saltadora Faith Zacharias, de apenas 15 anos.

A trilha sonora do desfile das delegações teve o cuidado de mesclar a música eletrônica com ritmos dos países, uma grata surpresa. O Brasil empolgou o público e levou à frente como porta-bandeira o nadador Thiago Pereira, que em Toronto pode se tornar o maior medalhista da história do Pan. México, Colômbia, Estados Unidos e, claro, a anfitriã Canadá foram muito saudadas. Em volta do palco, os voluntários dançaram bastante, agradando aos espectadores.

Chegava então a vez do Cirque du Soleil, companhia circense que é uma instituição do Canadá. O grupo proporcionou um espetáculo espetacular com som, imagem, luz e muitas acrobacias. Embora fosse inspirada nas raízes da cultura do país, o número mais ovacionado pela plateia tinha inspiração esportiva, com ciclistas fazendo manobras radicais em rampas colocadas em volta do palco.

O discurso de autoridades, que costuma entediar os espectadores ou provocar vaias, como se viu no Brasil durante a Copa do Mundo de 2014, teve outro clima. Saad Rafi, presidente do Comitê Organizador do Pan, arrancou aplausos ao exaltar a hospitalidade e diversidade étnica do Canadá. Houve espaço também para homenagear o mexicano Mario Vazquez Raña, presidente da Odepa (Organização Desportiva Pan-Americana), que morreu este ano.

Coube a Julio Maglione, novo mandatário da Oddepa, quebrar o clima da festa com um discurso que parecia não ter fim. Parte do público aproveitou para ir embora ou usar o banheiro. Quem ficou sentado tentou encerrar seu texto precocemente, com aplausos entre as pausas.

O melhor também ficou para o fim. Novamente com o Cirque du Soleil no palco, ex-atletas mulheres se revezaram correndo com a tocha pelo estádio. Entre elas, Marita Payne-Wiggins, que a repassou a seu filho, Andrew Wiggins. E aí era vez de o futuro e o passado do basquete canadense dialogarem: o jovem astro da NBA passou a chama pan-americana para o legendário armador Steve Nash, que acendeu a pira do lado de fora do Rogers Centre, encerrando a cerimônia após quatro horas. Mais uma quebra de protocolo.
Fonte: IG

 

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais