24.5 C
Jacobina do Piauí
27 de fevereiro de 2024
Cidades em Foco
EntretenimentoGeralInternacional

Não é Não: saiba o que fazer se for vítima de assédio no Carnaval

Carnaval / Foto: Reprodução / SBTNews

Clima de festa, mas também de cuidado. Apenas em 2023, o governo federal recebeu 430 mil denúncias e registrou 1,3 milhão de violações em direitos humanos, o que acende o alerta para os dias de folia.

A época de feriado apresenta um aumento de casos violentos, principalmente contra mulheres e adolescentes, em situações que vão de beijo forçado a casos extremos, ligados a investidas sexuais. Ao lidar ou ver alguma situação, a primeira regra é: procure apoio e denuncie. Confira canais e orientações:

Disque 100

Na edição de 2024, o governo federal vai preparar um canal específico para denúncias ligadas ao Carnaval. Para acioná-o, basta fazer uma chamada para o número 100.

Outros canais também seguem disponíveis, como a central de atendimento à mulher, pelo número 180. Além do disque denúncia da Polícia Militar: 190. Os números servem para situações em qualquer lugar do país.

Apoio em blocos de Carnaval

Governos locais também planejam ações de conscientização e de suporte durante a folia. Na capital São Paulo, por exemplo, a prefeitura prepara tendas para acolher vítimas de agressões.

Ao chegar em um bloco de Carnaval, identifique os pontos de apoio – seja atendimento médico ou da própria organização do cortejo. Se ficar desconfortável, não deixe de pedir ajuda.

Atenção no transporte

Parte das investidas costuma ocorrer durante o trajeto de ida ou volta aos festejos. Saia de casa conhecendo bem o caminho e dê preferência para estar em companhia de conhecidos. Em situações de aproximação indevida no ônibus ou metrô, acione o motorista ou algum funcionário.

Em caso de carona ou aplicativo, compartilhe a corrida com algum conhecido e sente no banco de trás. Uma recomendação, divulgada pelo grupo Empoderadas, do Rio de Janeiro, é também fazer alguma ligação assim que entrar no carro, para mostrar que há alguém à espera.

Fique de olho na bebida

Não aceite bebidas oferecidas por desconhecidos, ou pessoas com pouca proximidade. Na hora do consumo opte por comprar de locais confiáveis e confira se a embalagem está lacrada.

Não é Não

Em uma negativa, vale a máxima: não insista em se aproximar. Lembrando que, no ano passado, o presidente Lula (PT) sancionou o protocolo “Não é Não”, que obriga casas noturnas, boates e espetáculos a se adequarem para proteger mulheres.

Para não deixar dúvidas de conduta nos dias de folia, confira as regras da cartilha “Eu Decido”, do Ministério Público de São Paulo:

  • Fantasia não é convite
  • A pessoa se fantasiou para ela, não para você
  • Bebida não é carta branca para avançar o sinal
  • Bebida não é desculpa para quem avança o sinal
  • Ofensa não é brincadeira
  • Racismo, discriminação, homofobia e lesbofobia, jamais!
  • Beijo roubado é abuso
  • Cantada grosseira é abuso
  • Tocar o corpo de alguém é abuso

Pode x não pode no Carnaval

  • Curtir a música com a turma: liberado!
  • Elogiar com respeito: liberado!
  • Sorrir: liberado!
  • Conversar: liberado!
  • Convidar pra dançar: liberado!
  • Passar a mão: crime!
  • Encoxar: crime!
  • Usar palavras ofensivas: crime!
  • Cantada de cunho sexual: crime!
  • Xingar alguém porque ouviu “não”: crime!
  • Empurrar ou ameaçar alguém; crime!

Fonte: SBTNews

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais