34.8 C
Jacobina do Piauí
2 de dezembro de 2023
Cidades em Foco
GeralNordeste em Foco

Mel piauiense está valorizado no mercado internacional

O sertanejo piauiense está em festa com a valorização do “ouro da roça”. Esse é o nome que estão dando ao mel, produzido principalmente na região sudeste do Estado, e reconhecidamente de boa qualidade. O produto está ganhando espaço nos mercados mais exigentes do mundo. Distribuído para várias cidades do país e exportado para os Estados Unidos e Europa, o Piauí consegue ser até agente regulador do preço do mel, que anda bastante valorizado com a alta do dólar.

O Serviço de Apoio a Micro e Pequenas Empresas, Sebrae no Piauí, é parceiro dos produtores e trabalha com a parte da gestão e organização, de acordo com Geórgia Pádua, gerente de Agronegócio do Sebrae no Piauí. “Se o município tem alguma aptidão a gente vai lá, analisa e elabora um projeto para trabalhar durante quatro anos com essa atividade. Começamos desde a base, organizando grupos em associações, cooperativas, depois passamos para a fase de gestão, comercialização. Tem cadeias como a apicultura que a gente já está há 15 anos, não saímos porque eles estão evoluindo. Então o Sebrae tem que evoluir junto om eles”.

Um dos projetos do Sebrae é o Apis Semiárido Empreendedor, que trabalha com 27 municípios produtores de mel na região de Picos e Simplício Mendes, e em cidades da região norte também. Ao todo são atendidos 675 apicultores de nível básico (até 50 colmeias) e 125 apicultores de nível intermediário (acima de 50 e até 300 colmeias) integrados a 40 associações e cinco cooperativas. Em Picos, a 314 km de Teresina, tem a Casa Apis, que recebe o mel dos produtores; enquanto na região de Simplício Mendes, cidade que fica 385 km distante da capital, tem a Comapi. Ambas são cooperativas que recebem o mel produzido e que ficam responsáveis pela comercialização.

Além de distribuir para vários estados do Brasil, Hoje o Piauí exporta mel para os Estados Unidos e para a Alemanha. As empresas americanas  Wholesome Sweeteners e Lamex Food, fizeram auditoria de qualidade nas agroindústrias dos dois empreendimentos – Comapi e Casa Apis – em fevereiro deste ano e não foi identificada nenhuma não conformidade grave. O atestado de qualidade ajudou a ampliar os contratos de compra.

Apenas nos primeiros meses desse ano, a Comapi e a Casa Apis exportaram 11 contêineres carregados com 19.400 kg de mel, cada. Hoje o quilo do mel custa aproximadamente R$ 7,6. O produto é vendido em fragmentações de 25 kg, que custam R$ 190 em média, cada. “Com a alta do dólar, o valor do mel também subiu. Hoje a Casa Apis é uma agente reguladora do preço do mel vendido”, explica Geórgia Pádua.

No ano de 2014 as duas cooperativas, Casa Apis e Comapi, comercializaram juntas, aproximadamente, mais de mil toneladas de mel, gerando uma receita de quase R$ 10 milhões.

 

 

Fonte: O Olho

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais