31.6 C
Jacobina do Piauí
15 de abril de 2024
Cidades em Foco
GeralPolítica

‘Investimento público tem que ser alto para que o privado seja ainda maior’, afirma Rafael Fonteles sobre PAC

Rafael Fonteles

Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, o governador Rafael Fonteles (PT) afirmou que o ministro Rui Costa (Casa Civil) tem recebido os representantes dos estados para que listem as suas prioridades para o novo PAC (Programa de Aceleração do Crescimento). O governo federal ainda não definiu o orçamento do programa.

“É extremamente importante ter um programa de infraestrutura. Já se investiu mais de R$ 120 bilhões por ano. No ano passado, menos de R$ 20 bilhões foram investidos. Todos nós sabemos que o investimento privado é de maior monta, mas se você não tem um governo investindo em infraestrutura, você não alavanca o investimento privado”, afirma.

“Sou da tese de que o investimento público tem que ser alto para que o privado seja ainda maior”, acrescenta Fonteles.

Fonteles listou três prioridades a Costa, que indicará quais poderão ser atendidas a partir da definição do orçamento. No caso do Piauí, as prioridades estão nas áreas de rodovias, obras hídricas (adutoras e barragens) e um projeto multimodal (rodovias, ferrovia e hidrovia) de ligação da região sul do estado com o porto de Luís Correia, que deve ser inaugurado em dezembro.

Ex-secretário da Fazenda do Piauí (2015-2022) e ex-presidente do Comsefaz (Comitê Nacional dos Secretários de Fazenda dos Estados e do Distrito Federal), Fonteles elogia o projeto de arcabouço fiscal do governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

“É uma matéria importantíssima, a ser apreciada logo. Acho que o ministro Fernando Haddad e sua equipe acertaram no texto, o fundamental é sinalizar estabilidade da dívida sem prejudicar os programas sociais e de infraestrutura que foram colocados na campanha do presidente Lula”, avalia.

Sobre as alterações que têm sido feitas pelo deputado Cláudio Cajado (PP-BA), relator do projeto, ele afirma que têm de ser compreendidas como decisões soberanas de representantes do povo igualmente eleitos. Fonteles diz que defende o texto original, mas entende que as modificações não impedem que os programas sociais tenham orçamento garantido.

Com informações da Folha de S. Paulo
[email protected]

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais