24.3 C
Jacobina do Piauí
27 de fevereiro de 2024
Cidades em Foco
GeralMarcolândiaPolítica

Florentino Neto é co-autor do protocolo ‘Não é Não’ aprovado pela Câmara dos Deputados

Florentino Neto - Foto: Ascom deputado

O deputado federal Florentino Neto(PT/PI) é co-autor do projeto de lei aprovado ontem (6),  pela Câmara dos Deputados, e que cria o protocolo “Não é não”, com o intuito de prevenir constrangimento ou violência contra a mulheres em shows ou casas noturnas. Além dele,  apenas outro homem, o deputado Duarte Júnior, do Maranhão, assinou o projeto apresentado pela Bancada Feminina.

A proposta prevê que estabelecimentos comerciais deverão monitorar possíveis situações de constrangimento e indícios de assédio, além de prestar assistência e afastar o agressor da vítima, que deve ser expulso do ambiente, caso necessário. De acordo com o deputado Florentino, o protocolo foi inspirado na iniciativa No Callem, implementada em Barcelona, na Espanha.

“Foi esse protocolo que levou à prisão do jogador de futebol Daniel Alves, acusado de estuprar uma mulher em uma boate, em dezembro do ano passado. A instituição deste protocolo no no País pode ser um importante aliado da mulher brasileira ”, destaca o parlamentar.

Para ele, o Projeto de Lei 3/2023, que estabelece o protocolo “Não é Não”, será mais um importante instrumento na proteção e defesa dos direitos das mulheres, que passa a vigorar  após a sanção do presidente Lula.

Além desse projeto de lei, a Câmara aprovou uma série de projetos de lei e requerimentos de urgência de propostas prioritárias para a bancada feminina. A ação foi uma alusão aos 16 dias de ativismo pelo combate à violência doméstica, que acaba em 10 de dezembro.

Mais informações sobre o projeto:

O projeto, de autoria da deputada Maria do Rosário (PT-RS), deixa de fora do protocolo locais onde são realizados eventos religiosos. Ele havia sido aprovado em agosto pelos deputados, mas sofreu modificações no Senado Federal e retornou para a Câmara.

A proposta prevê que os estabelecimentos sejam responsáveis por monitorar possíveis situações de constrangimento (quando há insistência física ou verbal mesmo depois da mulher manifestar discordância) e violência (ação que resulte em lesão, danos ou morte pelo uso da força).

O estabelecimento também deve preparar e capacitar pelo menos um funcionário para executar o protocolo e colocar informações em lugares visíveis sobre como acionar a medida, bem como o contato da Polícia Militar e da Central de Atendimento à Mulher.

Ao ser avisado ou identificar indícios de constrangimento, o estabelecimento deve se certificar de que a vítima saiba que tem o direito à assistência garantida pelo protocolo. Ele ainda pode adotar ações que considerar cabíveis para preservar a dignidade e a integridade física e psicológica da denunciante, além de apoiar órgãos de saúde e segurança pública que possam ser acionados. O estabelecimento ainda pode retirar o ofensor e impedir seu retorno até o término das atividades.

Já no caso de algum tipo de violência contra uma mulher, o estabelecimento deve:

– proteger a mulher e proceder às medidas de apoio do protocolo;

– afastar a vítima do agressor, inclusive do seu alcance visual, permitindo que ela tenha o acompanhamento de pessoa de sua escolha, se quiser;

– colaborar para a identificação das possíveis testemunhas da violência;

– solicitar o comparecimento da Polícia Militar ou do agente público competente;

– isolar o local específico onde existam vestígios da violência, até a chegada das autoridades.

Ainda nesses casos, se o estabelecimento dispuser de sistema de câmeras de segurança, deverá garantir o acesso às imagens à Polícia Civil, à perícia oficial e aos diretamente envolvidos, além de preservá-las pelo período mínimo de 30 dias.

O projeto cria também o “Selo ‘Não é Não’ – Mulheres Seguras”, que poderá ser concedido pelo poder público a estabelecimentos que sejam classificados como local seguro para mulheres, mas que não estejam na lista dos que precisam cumprir o protocolo obrigatoriamente.

Nesses casos, o estabelecimento poderá criar um código próprio, divulgado nos sanitários femininos, para que as mulheres possam pedir ajuda aos funcionários, para que eles tomem as providências necessárias.

Fonte: CidadeVerde

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais