26.9 C
Jacobina do Piauí
17 de julho de 2024
Cidades em Foco
DestaqueGeralPolícia

Delegada da Mulher diz que cresce o crime de “revenge porn” no PI e alerta sobre relação abusiva

Foto: Renato Andrade/Cidadeverde.com

Os primeiros sinais que a mulher não deve tolerar em um relacionamento é ser tratada com ignorância, menosprezo à sua opinião e veto a qualquer tipo de roupa. Na véspera do Dia dos Namorados, a delegada Valéria Cunha, da Delegacia da Mulher Centro, faz um alerta sobre relação abusiva, alguns comportamentos condenados e diz que tem crescido os casos de vazamento de vídeos e fotos intimas como forma de vingança.

A divulgação de fotos ou vídeos íntimos sem o consentimento configura crime conhecido como “pornografia de vingança” ou “revenge porn” e pode causar danos psicológicos graves.

“O homem abusivo já dar os primeiros sinais antes da agressão física. É aquele homem que lhe trata com rispidez, com ignorância, manda você calar a boca, manda você falar baixo, desdenha de sua inteligência, reclama de sua roupa. Ele fala: ‘ah! essa roupa não está adequada, vai trocar’. Muitas vezes ele vai falar num tom de brincadeira, mas não é brincadeira, são os primeiros sinais que ele vai ser uma pessoa abusiva”, disse a delegada.

Valéria Cunha recomenda que a mulher não deva seguir em um relacionamento abusivo e que, dos casos que chegaram à delegacia nenhuma mulher conseguiu educar os parceiros.

“Muitas delas chegam com essa atitude de torná-los melhores, mas não tem nenhum caso na delegacia que tenha conseguido. O homem quando é abusivo, é abusivo e pronto”, disse a delegada.

“Quando tiver nesse início de abusos, tem que dar fim ao relacionamento, porque ele já dar a entender que vai ser um homem abusivo durante todo o relacionamento. Se ela não der um fim, a tendência é só crescer o ciclo de violência. Depois disso, ele vai partir para a injúria, xingamentos, depois vai para as ameaças, lesão corporal até o feminicídio”, disse a delegada.

As principais demandas na Delegacia da Mulher são ameaças quando ela decide pôr fim ao relacionamento. Valéria Cunha informou que as medidas protetivas têm ajudado no combate à violência.

Vazamento de vídeos íntimos

A delegada fez um apelo para que as mulheres evitem gravar vídeos íntimos. Ela reconhece que é um assunto delicado, já que a mulher é dona do próprio corpo.

“Se eu puder dar um conselho é que a mulher evite essas fotografias, esses vídeos, principalmente no início do relacionamento, onde ela não sabe o perfil completo da pessoa que está com ela”, disse a delegada.

O impacto psicológico de uma vítima que teve um vídeo ou fotografia íntima vazada é enorme, podendo levar a um quadro de depressão e morte.

“Todos os casos que já vi, quando há divulgação de vídeo íntimos há uma destruição do psicológico da mulher por completo, de muitas chegarem a tentarem o suicídio”, disse a delegada.

Violência à mulher é inaceitável, veja as instituições que deve procurar: 

As delegacias da Mulher, whatsApp Ei! Mermã  0800 000 1673, Central de Flagrantes, as casas de apoio a mulher, Defensoria e Ministério Público.

Por Yala Sena – Cidade Verde

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais