30 C
Jacobina do Piauí
13 de junho de 2024
Cidades em Foco
EntretenimentoGeral

Babilônia é a cara do Brasil: corrupção, radicalismo e kit hétero

‘O povo hétero, unido, jamais será vencido!’

O lema fictício poderia fazer parte do discurso de Aderbal Pimenta, o prefeito evangélico, homofóbico e corrupto de Babilônia.

Uma de suas metas é atrair eleitores conservadores para se eleger governador do Rio e, depois, presidente da República. Para isso, se lança no combate à ‘ditadura gayzista’.

No capítulo de quarta-feira (8), o bom cristão — que nas horas vagas cobra propina de empreiteiras e tem encontros extraconjugais numa garçonnière — revelou nova estratégia para agradar o ‘povo do Altíssimo’ e garantir mais votos.

Ele quer promover o kit hétero e a cura gay na cidade de Jatobá. Conta com o apoio de sua mãe, a emergente tresloucada Consuelo (Artele Salles), aquela que costuma chamar a advogada Teresa (Fernanda Montenegro) de ‘sapa safada’ e outro dia desejou fazer ‘churrasco de lésbicas’.

Esse núcleo, que já foi o mais enfadonho da novela, agora é uma das melhores partes do folhetim. Seus personagens promovem alguns dos temas relevantes do atual momento do Brasil.

Não apenas o radicalismo religioso, presente até nos plenários da Câmara e do Senado, como a corrupção endêmica envolvendo obras públicas, as peripécias do marketing político na manipulação de biografias duvidosas e as tentativas de ingerência na mídia.

O público do folhetim acaba de descobrir que Aderbal tem até relações íntimas com a milícia que promove chacinas na favela do município administrado por ele. O personagem vivido com entusiasmo por Marcos Palmeira incorpora quase todos os desvios indesejáveis a um político.

Esses assuntos, ainda que espinhosos, recebem tratamento interessante dos autores de Babilônia. Há espaço para o humor nonsense acompanhado de crítica inteligente.

Neste ponto, e apenas nele, Babilônia lembra outra novela escrita por Gilberto Braga: a insuperável Vale Tudo, de 1988.

Nas duas produções, males da sociedade foram retratados de maneira engenhosa em um momento importante do país (lá, o tal jeitinho brasileiro na então recente redemocratização; agora, a profunda deterioração da classe política e a intolerância generalizada).

Como telespectador, é mais recreativo acompanhar a trama coadjuvante de Aderbal Pimenta e sua ‘família perfeita’ — mãe moralista, esposa subserviente, filha rebelde — do que os cansativos enredos de amor e vingança das protagonistas.

O prefeito antiético e demagogo tornou-se a cara do Brasil de 2015.

 

 

Fonte: Terra

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais