25.9 C
Jacobina do Piauí
19 de maio de 2024
Cidades em Foco
DestaqueGeral

Portadores de câncer poderão viajar de graça para fazer tratamento no Piauí

O governador Wellington Dias sancionou a Lei Estadual que concede passe livre nos ônibus de linhas intermunicipais do Piauí para pessoas portadoras de câncer. De acordo com a lei, para ter direito ao benefício o passageiro precisa ter renda per capita familiar igual ou inferior a um salário mínimo. Se necessário for, um acompanhante também poderá usufruir do mesmo benefício. A publicação do decreto foi feita na sexta-feira (20) no Diário Oficial do Estado.

 

A lei de autoria da deputada estadual Rejane Dias deverá ser regulamentada em até 30 dias, a partir da data de publicação. De acordo com o secretário estadual para Inclusão da Pessoa com Deficiência, Mauro Eduardo, o governo ainda vai definir se a regulamentação vai ser feita pela Seid ou pela Secretaria de Saúde.

 

Procurado pelo G1, o presidente do Sindicato das Empresas de Transporte Rodoviário de Passageiros do Estado do Piauí, Francisco Arêa Leão, disse que a entidade não foi chamada para nenhuma discussão sobre a lei. Ele diz que as empresas elogiam a nova norma, mas conta que alguém terá que arcar com os custos da gratuidade.

 

“Nós não temos nada contra, mas a questão é quando ela for regulamentada saber quem vai pagar a conta. Alguém tem que ser responsável por essa despesa”, disse o presidente. Ele questiona inclusive a necessidade da existência da lei, afirmando que já existe um programa que concede esse tipo de benefício.

 

“Já existe o chamado Tratamento Fora de Domicílio (TFD), onde as empresas são obrigadas a destinar duas vagas para passageiros que viajam para fazer tratamento em outras cidades e também para pessoas com deficiência”, informou. Segundo ele, a nova lei não vai aumentar o número de poltronas destinadas aos pacientes com prioridade.

 

Francisco ArêaLeão disse ainda que as empresas aguardam a decisão do governo para saber quem vai arcar com a gratuidade, alegando que as empresas atualmente já enfrentam dificuldades. “Estamos com três anos sem reajuste e as empresas estão um caos. Nada contra a lei, mas tem que decidir quem vai pagar essa conta”, concluiu.

 

 

 

 

G1

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais