20 de abril de 2024
Cidades em Foco
GeralMunicípios

Duas cidades do Piauí desmataram 23% de toda Mata Atlântica do país

Lançado nesta quarta-feira (17) pela Fundação SOS Mata Atlântica e pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), o Atlas dos Municípios da Mata Atlântica traz os dados mais recentes sobre a situação dos municípios do Nordeste.

 

Com 3.134 hectares de área desmatada, a cidade de Manoel Emídio (PI) lidera o ranking nacional de supressão de vegetação natural do bioma no período 2012-2013, seguida pela também piauiense Alvorada de Gurguéia, com 2.491 hectares. Juntas, desmataram 23,4% do bioma no país, entre 2012 e 2013.

 

Entre os outros Estados da região, apenas Wanderley (BA), com 646 hectares, teve expansão comparável. No Rio Grande do Norte, o desmatamento chegou a 109 hectares em São José de Mipibu, enquanto que nenhum município dos demais Estados nordestinos registrou mais de 100 hectares de desflorestamento no período.

piaui1.jpg

Na lista dos municípios que mais preservam a Mata Atlântica, o Piauí também é líder nacional, com as duas cidades mais conservadas do Brasil: Tamboril do Piauí e Guaribas, ambos com 96% de vegetação natural. Esta preservação está ligada à existência do Parque Nacional da Serra das Confusões, uma importante Unidade de Conservação da região. Outros municípios que se destacam no Nordeste são Mucugê (BA) e Pacatuba (CE), que preservam 86% da vegetação natural do bioma.

piaui2.jpg

O estudo, com patrocínio de Bradesco Cartões e execução técnica da empresa de geotecnologia Arcplan, apresenta ainda um consolidado dos últimos 13 anos. As cidades nordestinas com números mais expressivos são as baianas Cândido Sales (5.531 hectares) e Encruzilhada (4.944 hectares), que ocupam respectivamente o 4º e o 7º lugar no ranking nacional de desmatamento entre 2000 e 2013.

 

Com base em imagens geradas pelo sensor OLI a bordo do satélite Landsat 8, o Atlas da Mata Atlântica, que monitora o bioma há 28 anos, utiliza a tecnologia de sensoriamento remoto e geoprocessamento para avaliar os remanescentes florestais acima de 3 hectares (ha). Algumas regiões, porém, tiveram a captação de imagens via satélite prejudicada em razão da cobertura de nuvens. Uma das mais afetadas é o Nordeste – na Paraíba, não foi possível verificar a ocorrência de supressão da vegetação nativa.

 

“No período 2010-2011, a área da Paraíba estava toda coberta por nuvens. Em 2011-2012, só 10% estava sem nuvens e 11% da região estava parcialmente coberta. Já em 2012-2013, mapeamos 36% do Estado, sendo que 18% estava parcialmente coberto e 45% sem imagens”, explica Flávio Ponzoni, do INPE.

 

 

 

Fonte: Com informações da Assessoria

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais