23.9 C
Jacobina do Piauí
24 de abril de 2024
Cidades em Foco
DestaqueGeralMunicípiosPolícia

Doméstica nega ser amante de prefeito e quer mudar versão do depoimento

A empregada doméstica Noêmia Maria da Silva Barros, 43 anos, acusada de participar da morte da primeira-dama de Lagoa do Sítio, quer mudar dois pontos no seu depoimento concedido a Polícia no dia do crime.  Hoje (16), o advogado Renato Satíro e o delegado Carlos André Rodrigues estiveram no presídio Feminino para falar com Noêmia. Ela desmente a versão do prefeito Zé Simão (PT), que está preso na sede da Polinter, no bairro Dirceu Arcoverde.

Foto: Jairo Moura

Renato Satíro conta que Noêmia desmente que teve um relacionamento amoroso com o prefeito. No primeiro depoimento, a empregada doméstica contou que tinha um caso com Zé Simão há cerca de dois anos. O prefeito também confirmou em seu depoimento.

 

“Ela estava sob forte pressão na presença de quatro delegados e quer rever pontos do seu depoimento. Ela não estava em condições emocionais de falar e garante que não era amante do prefeito”, garantiu o advogado.

 

Outro ponto questionado por Noêmia e sobre a arma. Ela conta que recebeu um embrulho enrolado em uma flanela e não sabia que se tratava de um revólver.

 

O delegado Carlos André, segundo o advogado, não aceitou mudar a versão do depoimento. “O delegado Carlos André foi muito intransigente”, disse o advogado.

 

Veja na íntegra a entrevista: 

 

 

O inquérito deve ser concluído até quinta-feira 

O delegado Carlos André afirmou ao Cidadeverde.com, ao sair do presídio, que Noêmia não alterou seu depoimento.

 

“Ela disse a mesma coisa do primeiro depoimento, que escondeu a arma a pedido do prefeito e não participou do crime”, disse o delegado. A arma usada no crime, um revólver calibre 38, foi encontrado no telhado da casa.

Sem viatura

Carlos André Rodrigues declarou que foi à Penitenciária Feminina acompanhado do advogado da doméstica, Renato Sátiro. Segundo ele, foi uma solicitação de transferência da empregada para a Secretaria de Justiça, mas o pedido não foi atendido.

 

O delegado disse que foi à penitenciária porque fez a solicitação para que ela fosse transferida para a Delegacia Geral, mas não houve nenhum retorno da Sejus.

 

“Me disseram que não podiam vir, então tive que ir até o presídio. Acho que é o carnaval”, relatou.

 

Carlos André é delegado da unidade de polícia judiciária. Ele disse que está aguardando a perícia que está sendo feita na arma e, enquanto isso, o prefeito continua preso na sede da Polinter.

 

“Como depoimento do prefeito foi longo, não vamos precisar ouví-lo de novo, agora é aguardar o resultado da perícia na arma”, concluiu.

 

 

 

Fonte: Cidade verde

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais